Página Inicial   >   out_site

CABIDE MENTAL Serra abaixo

29/10/2012 por René Zamlutti Jr.

Evidentemente, o resultado das eleições municipais dá espaço às mais diversas interpretações. Esta é só mais uma.
A eleição de Fernando Haddad para a prefeitura de São Paulo é marcada antes pela derrota do que pela vitória. Em outras palavras, houve mais uma derrota de José Serra do que propriamente uma vitória de Fernando Haddad.
Ao contrário do que parte da imprensa tem afirmado, a vitória de Haddad não representa uma vitória de Lula – que, embora tenha emplacado seu candidato em São Paulo, não conseguiu eleger seus apadrinhados em inúmeras outras cidades de cujo segundo turno participou ativamente.
No segundo turno, Lula participou de eventos em 12 cidades. Em cinco destas – São Paulo, Salvador, Cuiabá, Campinas e Taubaté – os candidatos do PT chegaram ao segundo turno em desvantagem em relação ao concorrente. Apenas em São Paulo – o principal município do estado que é o principal reduto do PSDB há décadas – a força de Lula foi suficiente para virar o jogo. Em todas as outras o PT perdeu.
No nordeste, região em que o carisma de Lula tem mais força, o PT sofreu derrotas significativas. Em Salvador, a presença de Lula não foi suficiente para evitar a vitória de ACM Neto. Em Fortaleza, o candidato do PT, Elmano de Freitas, que iniciou o segundo turno liderando as pesquisas, foi derrotado por Roberto Cláudio.
Também em Diadema, onde a força do PT sempre foi esmagadora em razão do passado sindical de Lula, o petista Mario Reali viu o jogo virar e, embora tenha iniciado o segundo turno como favorito, perdeu para o desconhecido Lauro Michels, do PV.
Portanto, atribuir a vitória em São Paulo à presença de Lula no segundo turno não me parece uma interpretação correta dos fatos.
Também não vi na campanha de Haddad nenhuma proposta tão sedutora ou relevante que justificasse a derrubada de Serra, tido como favorito desde o começo das eleições, numa cidade historicamente simpática ao PSDB.
A única conclusão que me parece possível é a de que o principal cabo eleitoral de Haddad se chama José Serra. E por isso afirmo que a eleição em São Paulo foi marcada antes pelo fracasso da campanha tucana do que pelo sucesso da campanha petista.
Serra perdeu a eleição presidencial em 2010 para uma completa desconhecida do grande público. Um dos principais erros estratégicos de sua campanha foi tentar vincular sua imagem à de Lula, esquecendo-se do óbvio fato de que Lula tinha sua própria candidata.
Talvez abalado por isso, de 2010 a 2012 Serra “endireitou”, no pior sentido da palavra. Político de formação centro-esquerdista, nos últimos dois anos Serra começou a flertar cada vez mais abertamente com a direita e o conservadorismo. Desde as batidas discussões sobre aborto à atual aproximação com Silas Malafaia, passando pelo endosso à fracassada “tática de guerra” que a polícia paulista tem adotado para enfrentar a criminalidade, Serra tem se afastado de seu passado e adotado um novo perfil, mais conservador e sectário.
O auge do equívoco estratégico deu-se na última fase da campanha. Serra, contrariando a opinião de seus marqueteiros e do próprio PSDB, insistiu na tática dos ataques pessoais, que as pesquisas já cansaram de demonstrar que não funciona em São Paulo. Nas últimas semanas, eram poucos os programas políticos de Serra que mostravam propostas efetivas, predominando os ataques a Haddad. A polêmica com okit gay e os incessantes atritos com jornalistas não fizeram mais do que piorar uma situação que já estava ruim. A teimosia e a recusa em trabalhar em grupo já são péssimas para um treinador de futebol. Para um candidato em queda livre, são fatais.
É claro que seria ingenuidade supor que a derrota de Serra se deve a apenas um fator. A influência de Lula, o bom rumo da economia nacional, a “zebra” Russomano, o fato de os marqueteiros começarem a notar a existência (e a relevância política) das classes mais baixas, a atual guerra civil entre policiais e bandidos, a rejeição de Kassab, o mandato interrompido na metade, tudo isso contribuiu, em maior ou menor medida, para o resultado final. Mas ignorar a relevância da estratégia suicida de Serra ao longo da campanha seria um erro típico de quem não aprende com as próprias trapalhadas. Um erro, enfim, típico de Serra, em sua versão atual.
Depois dessa derrota, haverá futuro político para Serra? Se mantida sua atual orientação política, tudo sugere que não. Mas resta a esperança de que José Serra reencontre seu eixo político e as raízes ideológicas que o tornaram uma figura tão relevante para a política brasileira. Nas recentes palavras do jurista Pedro Serrano:“Serra é um grande quadro da política nacional, que em muito ajudou na reconstrução democrática. É uma tristeza ver ele neste lodo direitista e obscurantista de Malafaias e etc. Minha esperança é que Serra não morra pra política, ao contrário, que nela sobreviva, que faça autocrítica deste seu erro e que mesmo na oposição recupere sua dignidade democrática e volte a contribuir com a consolidação da democracia e exerça seu poder de oposição e crítica sem precisar apelar para o obscurantismo pseudo-religioso direitista.”

Sábias e ponderadas palavras. Também torço para que Serra não desapareça politicamente, para que reencontre seu passado e volte a ser o político que, anos atrás, tanto contribuiu para que o país melhorasse e se tornasse mais democrático. Depende exclusivamente dele.
São Paulo já deu a Serra a resposta que ele precisava ouvir. Agora, volta-se para Haddad, que tem a dura missão de administrar a locomotiva louca e desenfreada que é esta cidade. Boa sorte a ele, pelo bem de todos nós.

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

RENÉ ZAMLUTTI JR.

René Zamlutti Jr.

 

Procurador do Estado de São Paulo, especialista, mestre e doutor em Direito Constitucional pela PUC/SP e professor da USJT e da EBRADI - Escola Brasileira de Direito. 

Autor do Blog: CABIDE MENTAL

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br