Página Inicial   >   out_site

CABIDE MENTAL Natsu e o hímen

27/10/2012 por René Zamlutti Jr.

Não sei se ainda há algo a ser dito sobre Ingrid Migliorini, a catarinense de 20 anos que resolveu leiloar a própria virgindade. Em 25 de outubro o leilão foi encerrado, e o hímen da moça alcançou a cifra de US$ 780 mil (R$ 1,58 milhão).
            Segundo o UOL, Ingrid “disse ‘entender a monotonia na vida das pessoas’ e atribui a isso o interesse sobre ‘sua vida agitada’.”
            Que vida agitada? Não li nada sobre drogas, bebedeiras, baladas enlouquecidas, orgias selvagens. Virgens românticas (como Ingrid se define) não costumam ter vidas agitadas. Vida agitada tem a Paris Hilton! O interesse que Ingrid desperta não tem nada a ver com sua vida, e sim com a opção de leiloar sua “pureza”.
            Muito já se disse e se escreveu sobre o tal documentário, “Virgins Wanted”, que teria motivado esse leilão; muito já se falou sobre o documentarista, sobre a própria Ingrid e o outro rapaz que também leiloou a virgindade, sobre o arrematante do hímen. Tudo isso já foi dissecado à exaustão. O único aspecto dessa história que não foi bem analisado – e que, curiosamente, me parece o mais interessante – é como um fato tão banal pode despertar tanto interesse do público. Certamente a “vida agitada” da protagonista não é o motivo.
            Ingrid não é a primeira mulher a leiloar a própria virgindade. No passado, as “novas aquisições” dos prostíbulos eram sempre disputadas de forma acirrada pelos clientes habituais. A literatura, o cinema e a televisão têm inúmeras histórias similares.
            E também não é o fato de Ingrid “não precisar disso” que torna a situação atípica. Inúmeras prostitutas “não precisam disso” e ainda assim adotam a prostituição como trabalho – e não há aqui nenhum julgamento sobre essa escolha, cada mulher que faça o que quiser com o próprio corpo.
            É claro, é de prostituição que estamos falando aqui. O fato de a venda da virgindade fazer parte de um “documentário” (nem imagino qual vai ser a tônica desse filme, mas diante do leilão realizado, não espero boa coisa) não altera em nada essa constatação. A alegação de Ingrid de que vai usar o dinheiro para construir “casas populares”, além de ridícula, foi desmentida pelo próprio documentarista. Se ainda há alguma dúvida, o "book" de fotos sensuais colocadas no Facebook para “divulgar o produto” e o uso do "nome de guerra" (Catarina), duas características típicas desse mercado de carne,encerram qualquer discussão a respeito.
               Repito, nenhum julgamento moral na constatação de que se trata de prostituição. Mas tratemos do caso como o que de fato ele é.
            Outros ingredientes despertaram a atenção do público: Oscar Maroni, o ex-dono do Bahamas, afirmou há alguns dias que Ingrid ofereceu a virgindade a ele há dois anos, por R$ 100 mil. Ela nega, embora afirme que, aos 17 anos, eles trocaram telefones e se falaram algumas vezes. Não fica muito claro por que uma menina de 17 anos trocaria telefonemas com Oscar Maroni, mas enfim...
            O fato é que, por mais que se tente apimentar a história, ela continua a ser absolutamente tediosa e desinteressante. Que importa para o mundo a virgindade da moça? Que interesse pode despertar um imbecil qualquer - o apelido divulgado é Natsu - que tenha se disposto a desperdiçar R$ 1,5 milhão no que provavelmente vai ser o ato sexual mais chato da sua vida?
            Pelo que a imprensa divulgou, o defloramento vai ocorrer em espaço aéreo internacional, para evitar problemas legais. Não pode beijo na boca, usar nenhum brinquedo sexual nem realizar qualquer fantasia. Segundo a própria Ingrid em entrevista à Folha de São Paulo, “só pode tirar a virgindade, nada mais”.
            Em outras palavras, a rigor, nem de sexo estamos tratando. Essa perda da virgindade será um negócio (literalmente) mecânico e desprovido de qualquer tipo de envolvimento. Chegar, dar um oi, romper o hímen da moça e ir embora.
            É prostituição sim, claro, mas da pior espécie. A prostituta, que não domina seu ofício, não se esforçará para agradar o cliente. Este não terá sequer a ilusão do misto de afeto e safadeza que tantos homens procuram nas profissionais. A relação se dará entre Natsu e o hímen, não entre o cliente e a mulher. Ingrid estará presente apenas de forma incidental.
            Como Shylock trocou 3 mil ducados por 453 gramas de carne com Antônio, em O Mercador de Veneza, de Shakespeare, Natsu trocou R$ 1,5 milhão por um pedacinho – bem mais leve – de carne. Levando em consideração a quantidade de prostitutas de luxo que ele poderia contratar por R$ 1,5 milhão, é fácil concluir que ele fez o pior negócio da sua vida.
            Ingrid, por outro lado, fez um belo negócio. Vai virar uma espécie de ícone entre as prostitutas – R$ 1,5 milhão por uma rapidinha, sem beijo na boca nem fantasia? Vai virar mito.
            Imagino que os dias seguintes ao evento não vão ser dos melhores – para Ingrid, que vai ter de viver com o peso da sua escolha e com o julgamento da sociedade, sempre severo nessas situações; para Natsu, que, se tiver o nome verdadeiro divulgado, vai virar piada entre os amigos; para o documentarista, que, embora provavelmente ganhe um bom dinheiro com essa história, vai receber o inevitável estigma do cafetão.
            Em suma, não há nada, absolutamente nada nessa situação que justifique tamanho interesse do público. Um japonês resolve comprar um hímen. Ponto final. E todo um frisson, artigos e artigos na mídia, críticas acirradas, debates apaixonados. Tudo por causa de um pedacinho de carne, menos valorizado pela sociedade a cada dia que passa, e que não deveria despertar a atenção de ninguém.

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

RENÉ ZAMLUTTI JR.

René Zamlutti Jr.

 

Procurador do Estado de São Paulo, especialista, mestre e doutor em Direito Constitucional pela PUC/SP e professor da USJT e da EBRADI - Escola Brasileira de Direito. 

Autor do Blog: CABIDE MENTAL

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br