Página Inicial   >   Notícias

Viúva de ex-fumante Tem pedido de indenização negado

A 3ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo negou um pedido de indenização por danos morais e materiais a uma viúva que responsabiliza um fabricante de cigarros pela morte do marido. Ela alega que o marido começou a fumar em razão de propaganda maciça e que o uso dos produtos fabricados pela empresa causou mal à saúde. 
      
 A decisão em 1ª instância já havia sido desfavorável a autora: "se a requerente efetivamente crê que tais danos devam ser de responsabilidade de alguém que não o do falecido, que fumava intensamente, desde a adolescência e mesmo após ter sua saúde seriamente abalada pelo vício do tabagismo, deve voltar-se contra o poder público, na busca de ressarcimento, já que esse permite a comercialização de cigarros, disciplinando-a e dela diretamente se beneficia, já que lhe rende significativas quantias, através dos tributos que sobre isso recaem", diz seu conteúdo.

      
 Segundo o  relator do processo, desembargador Adilson de Andrade, "muito embora o cigarro cause males à saúde, tal fato é público e notório há muitos e muitos anos, sem que por causa disso, sua produção e comercialização tivessem sido proibidas entre nós. Não se pode imputar à requerida a responsabilidade pelos mencionados danos padecidos pelo falecido, em vista da atividade lícita e regulamentada pelo poder público que ela exerce, pagando, aliás, elevadíssimos tributos, para tanto".

       
A votação foi unânime e contou com a participação dos desembargadores Donegá Morandini, Egidio Giacoia e Beretta da Silveira.

Comentários

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br