Página Inicial   >   Notícias

Ministro Joaquim Barbosa Rejeita manutenção de vantagem para juiz

06/10/2010 por ASCOM-STF

O ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento a Mandado de Segurança (MS 27472) impetrado por um desembargador aposentado do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (MG), contra ato do Tribunal de Contas da União (TCU), que determinou a devolução de vantagens pagas a juízes da ativa com base na Lei 1.711/52, antigo Regime Jurídico Único dos servidores civis da União. O artigo 184 da lei - revogada pela Lei 8.112/90 - permitia aumento de 20% sobre os proventos de aposentadoria aos ocupantes da última classe da respectiva carreira, e a vantagem foi concedida pelo TRT-MG em 1999 a juízes ainda em atividade que contassem com tempo para aposentadoria.

Em seu mandado de segurança, o desembargador alegou que a retirada da vantagem e a ordem de devolução dos valores já recebidos, por parte do TCU, violaram os princípios da ampla defesa e do contraditório, pois seria obrigatória a participação das pessoas potencialmente prejudicadas nos processos de fiscalização do órgão. O TCU, por sua vez, sustentou que a relação jurídica formada nos processos de tomada de contas ocorre entre o TCU e os órgãos públicos responsáveis, sem alcançar obrigatoriamente o servidor interessado.

O ministro Joaquim Barbosa afastou a alegada violação dos princípios constitucionais mencionados. "A falta de notificação para a apresentação de defesa prévia somente implicará nulidade da decisão final se houver prejuízo ao interessado", destacou. "Se, por outros meios lícitos, for garantida a ampla defesa e o contraditório, o ato decisório do TCU não violará a Constituição." No caso em exame, o TCU informou que o desembargador interpôs pedido de reexame, com efeito suspensivo e devolutivo, que possibilitaria o completo reexame da matéria, sem restrições. O recurso foi rejeitado. Portanto, ainda que não tenha sido chamado logo no início do procedimento de controle, foram assegurados o direito de ser ouvido e os meios para comprovar suas alegações. "Não houve prejuízo processual ou substancial ao impetrante", concluiu.

Comentários

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br