Página Inicial   >   Notícias

violando o código de ética OAB do Rio quer punir advogados que assediam parentes de passageiros de Airbus

05/06/2009 por Agência Brasil
O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro (OAB-Rio), Wadih Damous, disse hoje (5) que vai punir com rigor os advogados que estiverem assediando as famílias dos passageiros do Airbus 330, da Air France, que desapareceu na madrugada de segunda-feira (1º), quando sobrevoava o Oceano Atlântico.

Em nota, Damous afirma que a denúncia de que advogados estariam oferecendo seus serviços aos parentes das vítimas hospedados no Hotel Windsor, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, chegou até ele por meio de uma correspondência enviada pela diretora-geral da Air France no Brasil, Isabelle Birrem.

"Aqueles profissionais que estiverem violando o código de ética responderão disciplinarmente pela grave irregularidade", garantiu o presidente da OAB-Rio, salientando que "advogado não é abutre a farejar a dor humana, nem a advocacia deve ser confundida com revenda de automóveis ou anúncio de peças íntimas".

Damous, que está em São Luis (MA) participando de um evento promovido pela seccional da OAB maranhense, garantiu que além de apurar a conduta de advogados brasileiros denunciada no caso, vai investigar a hipótese de atuação de escritórios de advocacia estrangeiros. Segundo ele, também chegaram à OAB denúncias de que profissionais com visto de turista estariam exercendo a profissão de advogado irregularmente no Rio de Janeiro. "Se comprovado o fato, notificaremos os órgãos de fiscalização profissional dos respectivos países e encaminharemos os processos para punição rigorosa."

Por fim, o presidente da OAB-Rio lembra que os profissionais da advocacia serão necessários para orientar os familiares, mas que a procura a eles cabe exclusivamente às famílias dos passageirios.

O Airbus da Air France fazia o voo AF 447, do Rio de Janeiro para Paris (França). O avião decolou às 19h do último domingo (31) do Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim e desapareceu na madrugada de segunda-feira. O último contato foi feito por volta das 22h30 com a torre de controle de voo na Ilha de Fernando de Noronha (PE).

Comentários

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br