Página Inicial   >   Notícias

Justa Causa Não aplica a trabalhador visto em brincadeira publicada no Youtube

02/02/2011 por CF

A empresa do ramo de varejo da construção, localizada em Sorocaba, não gostou de ver veiculado um vídeo no youtube, em que se podem identificar um promotor de vendas e empregados, vestidos com jalecos que fazem parte do uniforme de trabalho, numa "brincadeira" que mistura humilhação e violência, simulando serem estas perpetradas por prepostos da empregadora, assemelhando-se ao filme "Tropa de Elite". A empresa entendeu que o vídeo tinha "o propósito de difamar e denegrir sua imagem, pois feito por empregados nas dependências da loja, caracterizados com uniformes da empresa". Segundo informação da empregadora, "comparava-se o tratamento oferecido aos integrantes do "e;Bope"e;, no filme, ao supostamente conferido na empresa, pelos prepostos". O vídeo causou a dispensa por justa causa, em 2 de janeiro de 2008, de um dos empregados que participaram da "brincadeira", o que levou o trabalhador a ajuizar a reclamação trabalhista.

A primeira testemunha do reclamante, na prova emprestada de outros autos, trabalhava na loja como promotor de vendas de tintas e declarou que "foi ele quem realizou as filmagens por meio de telefone celular, no final do expediente, quando ocorreu uma brincadeira entre os funcionários". Ele esclareceu que "no momento da brincadeira, nenhuma referência havia ao filme Tropa de Elite", mas que, "posteriormente, ao ver semelhança com cenas do filme, embora na brincadeira tratassem apenas de vendas, fez a edição das cenas, associando com o filme". A testemunha deixou claro que "os envolvidos na brincadeira não sabiam da edição do vídeo e que colocou as imagens na internet sem avisá-los". Ele afirmou que "colocou o vídeo no site de relacionamento com seu nome e, com a reação de pessoas ligando, pedindo que retirasse as imagens, retirou e compareceu na reclamada para esclarecer os fatos". O depoente salientou ainda que foi o próprio reclamante quem solicitou que retirasse as imagens da internet.

A segunda testemunha do trabalhador afirmou que "era comum haver brincadeiras na empresa, envolvendo os colegas de trabalho, e que o próprio gerente de vendas e o gerente-geral brincavam com ele, pois se mostrava uma pessoa "e;engraçada"e;".

Já o depoimento da primeira testemunha (também prova emprestada) da reclamada, justamente o gerente-geral na empresa, evidencia que "ficou sabendo que não foi o reclamante que realizou e colocou as filmagens na internet, mas um promotor da área de tintas, assim como foi informado que "e;o vídeo saiu da internet porque o reclamante conseguiu contatar o promotor e este o retirou"e;". O gerente asseverou que, por sua iniciativa, "aplicou uma suspensão ao reclamante, entre os dias 26 e 28 de dezembro, sendo que as decisões posteriores foram tomadas pela matriz".

A segunda testemunha da empresa, que era encarregado, esclareceu que "foram chamados a São Paulo para tratar do assunto referente ao vídeo" e "que foram atendidos pelo gerente de departamento pessoal, tendo sido oferecidas ao depoente as opções de pedir demissão ou ser dispensado ou fazer um acordo por justa causa".

A 4ª Vara do Trabalho de Sorocaba, onde corre a reclamação trabalhista, julgou parcialmente procedente a ação. A reclamada recorreu contra o afastamento da justa causa e ainda pediu "que seja afastada a sua condenação ao pagamento de danos morais ou, caso não seja este o entendimento, que haja a redução do valor arbitrado".

O relator do acórdão da 7ª Câmara do TRT da 15ª, desembargador Manuel Soares Ferreira Carradita, entendeu que "não se pode considerar que o recorrido tenha praticado a justa causa, com base na alínea "k", artigo 482, da CLT, ou seja, denegrir a imagem da empresa". O relator afirmou que "o ato do reclamante constituiu uma brincadeira particular realizada entre alguns colegas e não demonstrou gravidade tal que ensejasse a pena máxima, o que revela que foi desconsiderado o critério da proporcionalidade da punição".

No que se refere à indenização por dano moral, o acórdão salientou que "a reclamada estava ciente de que o vídeo fora filmado, produzido e veiculado na internet pelo promotor de vendas, que, inclusive, esclareceu esses fatos, ressaltando que o reclamante pediu a retirada do site". Mesmo assim, prossegue a decisão colegiada, a empresa "imputou ao recorrido a falta grave colacionada na alínea "e;k"e;, causando-lhe sofrimento de ordem moral".

A decisão da Câmara lembrou ainda que "a prova testemunhal demonstrou que as brincadeiras eram comuns entre os funcionários da reclamada, e não foi negada a participação do reclamante no dia dos fatos (...). No entanto, ele não foi o responsável pela divulgação do vídeo e pelo alcance e proporção que este alcançou posteriormente, ao resultar um paralelo com o filme "e;Tropa de Elite"e; produzido pelo editor do vídeo, o que atingiria a imagem da empresa".

O acórdão conclui que é "inegável a prática de ato abusivo por parte da reclamada, ao exacerbar a falta cometida pelo obreiro, imputando-lhe ato indevido. Assim, atingiu a dignidade do trabalhador, constrangendo-o inicialmente a pedir demissão, sob ameaça de dispensa por justa causa, e, por fim, dispensando-o sob alegação de prática da falta prevista na alínea k do artigo 482 da CLT". A Câmara reduziu, no entanto, o valor da condenação por dano moral para R$ 5 mil, para adequá-lo às possibilidades econômicas da reclamada. A decisão ressaltou que, "diante da ausência de legislação que regulamente a matéria, a indenização por dano moral é fixada por arbitramento", obedecido "o princípio da razoabilidade para a fixação do valor da indenização, sopesando a gravidade da conduta do empregador, assim como a capacidade financeira da empresa, a fim de se obter um valor justo, cujo objetivo é minimizar o sofrimento causado ao empregado e coibir a reincidência do agente agressor".

Comentários

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br