Página Inicial   >   Notícias

PRECONCEITO Discriminado por opção sexual, professor receberá indenização do Estado

07/03/2014 por ASCOM -TJ/SC

A 3ª Câmara de Direito Público do TJ deu provimento ao recurso de um professor da rede pública estadual para condenar o Estado a pagar R$ 30 mil em seu benefício, por conta de danos morais sofridos no exercício da profissão. Consta nos autos que o professor teve dificuldades de ordem pedagógica e de relacionamento com os alunos em sala de aula. Por causa dessa situação, foi transferido para o laboratório da disciplina que ministrava. Testemunhas afirmaram que o professor sofria assédio moral em razão de sua idade e opção sexual.

O desembargador substituto Carlos Adilson Silva, relator do recurso, em análise do relatório da sindicância realizada para investigar o caso, concluiu que, apesar das dificuldades do professor, houve omissão da instituição de ensino em lhe dar orientação e apoio pedagógico, já que o funcionário estava em estágio probatório. Para o relator, não houve uma pesquisa sobre as reais causas da situação, embora seja obrigação do Estado zelar pela integridade física e moral de seus servidores.

“Nesse norte, configurado o dano anímico sofrido pelo apelante, resta inquestionável seu direito a compensação pecuniária pelos danos morais que sofreu, pois evidente que, diante das circunstâncias do caso concreto, não houve mero aborrecimento, mas verdadeira frustração, humilhação e ofensa à sua honra subjetiva, na medida em que não recebeu do Estado o suporte necessário durante seu estágio probatório, sendo-lhe aplicada punição arbitrária consistente no afastamento da sala de aula”. A decisão foi unânime (Apelação Cível n. 2010.014739-2).

Comentários

  • Renan
    10/03/2014 07:55:20

    O termo correto é "orientação sexual", e não "opção sexual". Vide resolução 99 conselho federal de psicologia.

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br