Página Inicial   >   Notícias

danos morais Árbitro de futebol será indenizado por ofensas proferidas contra ele

04/03/2014 por ASCOM-TJ/DF

A 5ª Turma Cível do TJDFT deu provimento parcial a recurso adesivo da vítima, Sandro Meira Ricci, juiz de futebol, para elevar valor de indenização por danos morais imposta a ex-presidente de clube de futebol e atual Senador da República Jose Perrela de Oliveira Costa (PDT-MG) devido a ofensas proferidas ao árbitro. A decisão foi unânime.

 

O autor da ação, árbitro de futebol, conta que o réu, então presidente do Cruzeiro Esporte Clube, após partida realizada entre esta equipe e a do Corinthians, teria proferido à sua pessoa - responsável por apitar o referido jogo - palavras ofensivas, veiculadas em várias reportagens, repercutindo nacionalmente. Afirma que as acusações do réu causaram-lhe dor moral e constrangimentos, tendo sido, inclusive, alvo de diversos e-mails ofensivos, alguns até mesmo com ameaça de morte.

 

Ao analisar o feito, o juiz originário registra que o emprego de expressões como "filho da p...", "picareta desonesto", "safado", "incompetente", bem como a alegação de que o requerente teria sido "comprado" acarreta, sem dúvida alguma, sensação humilhante em qualquer pessoa, quer seja pela sua personalidade, quer seja pela sua atuação profissional. "Ainda mais quando o réu dispunha de outros termos menos agressivos e difamatórios para definir eventual atuação profissional não condizente com as suas expectativas, mesmo que a profissão objeto de crítica seja, de forma reiterada, alvo de ataques ofensivos", acrescenta.

 

É bem verdade, anota ainda o juiz, que a CF/88 protege a liberdade de expressão, como bem lembrado pelo réu. "No caso em tela, contudo, houve clara extrapolação dos limites da tolerância, capaz, indubitavelmente, de violar o direito de personalidade do autor, o qual, portanto, deverá ser indenizado a título de danos morais, nos termos dos arts. 187 e 927 do CC/2002", afirma.

 

Em sede recursal, o desembargador relator acrescenta que as declarações feitas pelo ofensor foram gravadas em vídeo e disponibilizadas em sítio de amplo acesso na internet, com o título 'Presidente do Cruzeiro diz que juiz levou dinheiro do Corinthians'. O desembargador também ressalta que, apesar de a liberdade de expressão estar tutelada pela nossa Constituição, "todo direito está sujeito a restrições, pois nenhum é absoluto e o seu exercício encontra limite na ausência de abuso".

 

Em relação à fixação do valor indenizatório, o magistrado afirma que esta não é tarefa fácil e deve ser realizada pelo julgador, a seu prudente critério, de modo que não deva ser muito elevado, a fim de proporcionar o enriquecimento sem causa, tampouco tão baixo a ponto de não ser sentida no patrimônio do responsável pelo dano. "A indenização deve ser fixada com ponderação, não se justificando exageros, devendo ser proporcional ao grau de culpa e à capacidade econômica de ambos os litigantes, atentando-se à realidade do país e às peculiaridades de cada caso", diz ele.

 

"No caso, levando-se em consideração as condições econômicas do réu, que à época dos fatos era presidente de clube de futebol e atualmente é Senador da República, bem como o teor das ofensas, diante da falsa imputação ao autor da prática de crime (calúnia), mostra-se apropriada a majoração do valor fixado a título de danos morais na r. sentença", concordou a Turma. Assim, em vista do potencial sócio-econômico do ofensor e da gravidade das ofensas, o Colegiado entendeu que o quantum indenizatório deve ser majorado para R$ 60.000,00, quantia razoável e proporcional às circunstâncias do caso.

Comentários

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br