Página Inicial   >   Entrevistas

ENTREVISTA Minha Trajetória nos Concursos

Em que momento decidiu se enveredar pelos concursos públicos?

Desde o início da faculdade, pensei em prestar concursos. Na realidade, foram dois os motivos que se somaram e me encorajaram a seguir essa área. O primeiro é a paixão que tenho pela leitura e pesquisa, assim o estudo sempre foi motivo de satisfação. Além isso, os concursos públicos no Brasil atingiram um ponto de maturidade muito grande de modo a ser um processo sério e selecionar os candidatos melhores preparados. Interessante essa pergunta, pois me faz recordar que no início deste ano participei de um curso de capacitação para servidores públicos federais. Uma das palestrantes, uma procuradora federal dos Estados Unidos da América, fez justamente essa observação: o Brasil, ao contrário de outros países da América Latina, seleciona de forma muito criteriosa os seus servidores públicos e sugeriu que esse cuidado fosse mantido.

 

Quando iniciou seu preparo? Qual metodologia usou?

Iniciei nos concursos no ano 2000. Talvez meu grande erro tenha sido em não estabelecer uma metodologia desde o início. Sempre prestei todo o tipo de concurso e estudava todas as matérias.

 

Quanto tempo demorou para ser aprovado no primeiro concurso?

No segundo ano de estudos fui aprovado no concurso para Delegado da Polícia Civil do Estado de São Paulo. Logo ingressei na carreira, tendo trabalhado na Corregedoria Geral. Após mais três anos, agora de trabalho e estudo, passei no concurso para Delegado de Polícia Federal.

 

A carreira policial sempre foi seu foco principal?

Para ser sincero, não. Eu não tinha nenhum familiar ou amigo que integrassem os quadros policiais e via essa opção com reservas. Porém, a medida que conheci melhor as funções acabei por me identificar com a carreira e percebi que era possível fazer um trabalho sério, útil ao país e, por isso, extremamente gratificante.

 

O senhor sofreu alguma cobrança de familiares e amigos pelo resultado pretendido?

Não, ao contrário, todos sempre me apoiaram muito e isso foi o determinante para minha aprovação. Meus pais me incentivavam e minha namorada – atual esposa – sempre me apoiou e compreendeu as horas de estudo.

 

Quais são as peculiaridades do concurso de Delegado da Polícia Federal?

A primeira está no próprio processo de seleção, pois ao contrário das demais carreiras jurídicas, nesta existe provas físicas eliminatórias. As provas são de natação, corrida, salto e barras. Como dividia meu tempo entre o trabalho e o estudo, tive um curto período para me preparar para a avaliação física, mas, felizmente, deu certo. Além disso, antes do ingresso na carreira os candidatos passam por um curso de formação em Brasília, na Academia Nacional de Polícia (ANP) de cerca de cinco meses, com aulas de segunda a sábado e ao menos três provas eliminatórias por semana. A experiência é extremamente rica. Lá são reunidos candidatos de todo o Brasil, aprovados na primeira fase do concurso, oportunidade em que se tem para conhecer culturas e hábitos das diferentes regiões do país. Além disso, a estrutura da ANP é excelente, onde são transmitidos tanto conhecimento teórico para o desempenho das funções como grande carga de aulas práticas. São aulas de tiro, defesa pessoal, atividades físicas, investigação, instrução no uso de equipamentos eletrônicos próprios da atividade, etc.

 

Quais são as atividades que um delegado da polícia federal exerce? Como é a rotina profissional?

A principal atividade é presidir o inquérito policial, onde se busca provas para esclarecer a prática de um crime e sua autoria. Além disso, o Delegado é o responsável por atender as ocorrências criminais que lhes são apresentadas e nos casos mais extremos, determinar a prisão em flagrante de um indivíduo. Por fim, como é próprio da Polícia Federal, são frequentes as operações policiais e o Delegado acaba por ser convocado a participar dessas operações em diferentes pontos do país. Existem também as funções administrativas, como a direção da instituição.

 

Qual foi o momento mais engraçado ou curioso da sua carreira até agora?

Felizmente foram muitos. Já que estamos falando de concursos: após a aprovação no processo de seleção e no curso de formação, todos os Delegados(as) da minha turma, ao todo oitenta, fomos reunidos em um sala,  na ANP, ocasião em que em um telão, foram apresentadas as vagas disponíveis para a lotação inicial. De forma predominante, estavam distribuídas nas regiões da fronteira brasileira. Meus pais e minha noiva haviam acabado de embarcar no avião, com destino a Brasília, onde me encontrariam para participar das festas da posse. Eu havia falado a eles que a minha primeira lotação seria em Macapá/AP ou Boa Vista/RR. Na medida em que foram chamados os colegas para a escolha e meu nome se aproximava, duas delegadas da minha turma, que já se conheciam desde a faculdade, viraram para mim e falaram: - existe uma vaga para Uruguaiana/RS e duas para Boa Vista/RR, você concorda em ir par Uruguaiana para que nós possamos ir juntas para Boa Vista. Concordei. No momento em que meus familiares desembarcaram do avião, liguei e disse que meu destino, em poucos minutos, havia mudado do norte para o sul do país. Graças a Deus, minha estada foi muito boa e deu tudo certo no período de quase três anos que permaneci em Uruguaiana/RS.

 

E o mais triste?

Atualmente trabalho na Delegacia de Repressão a Crimes Financeiros em São Paulo. Por vezes é triste ver criminosos do colarinho branco, após uma grande fraude, escapar da punição em razão de brechas legais. Mas é lógico, isso deve servir como incentivo a um trabalho cada vez mais técnico e motivo de luta para o aprimoramento das instituições brasileiras.

 

Quando um acadêmico ou bacharel toma a decisão de ingressar numa carreira pública, qual o primeiro passo a ser dado?

Como disse, felizmente hoje no Brasil os concursos públicos são sérios e bem organizados. Por isso, o caminho é um só: firme dedicação nos estudos por alguns anos até a aprovação. Duas dicas valiosas: 1º Por ser um período de muito estresse e incertezas, o apoio dos familiares e cônjuge é fundamental, além de sempre reservar um período durante a semana para descansar. 2º O início dos estudos deve ser focado nas matérias comuns a todos os concursos, para, em um segundo momento, se dedicar às matérias específicas de cada edital.

 

O que deve esperar o concursando na hora de optar pela carreira na Polícia Federal?

A Polícia Federal possui representantes em muitos municípios brasileiros e até no exterior. Assim, as atribuições são as mais diversas possíveis o que faz da carreira ser muito dinâmica. Além disso, é possível desempenhar um trabalho técnico, sério, útil e extremamente gratificante.

 

Tags: Concursos

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

ALEXANDRE MANOEL GONÇALVES

Alexandre Manoel Gonçalves

Delegado de Polícia Federal. É mestre em Direito Penal Econômico pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Vice-presidente do sindicado dos Delegados de Polícia Federal. E-mail: alexandre.amg@dpf.gov.br

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2017 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br