Página Inicial   >   Entrevistas

ENTREVISTA CONCURSOS Minha trajetória nos concursos

Em que momento decidiu se enveredar pelos concursos públicos?

Meu pai trabalhou a vida inteira como engenheiro em uma empresa multinacional e durante toda sua vida profissional sofreu a pressão de poder ser demitido. Sendo assim, ele sempre me incentivou pela carreira pública. Contudo, nunca pensei em prestar concurso público, mas sim, o concurso de Delegado de Polícia.

 

Quando iniciou seu preparo? Qual metodologia usou?

Durante a faculdade estagiei durante dois anos no jurídico criminal de uma importante instituição financeira, sendo que durante essa época frequentava constantemente delegacias de polícia, a superintendência da Polícia Federal e o fórum criminal. Destarte, nesse período me despertou a vontade de me tornar Delegado de Polícia e minha paixão pelo direito penal aumentou. Sendo assim, após o quarto ano de faculdade comecei a estudar diversas doutrinas, o que me facilitou muito quando comecei a estudar “de verdade” para o concurso. No quinto ano da faculdade obtive aprovação na prova da OAB, sendo que a bagagem de estudos para essa prova também me ajudou para preparação do concurso. Depois de formado, iniciei um curso preparatório e após as aulas estudava nas cabines do cursinho uma média de 8 até 10 horas por dia, sempre utilizando um cronômetro para marcar o tempo.

 

Quanto tempo demorou para ser aprovado no primeiro concurso?

Terminei minha faculdade em julho de 2011, sendo que a primeira fase do concurso em que fui aprovado ocorreu em setembro do mesmo ano.

 

Como traçou seus focos em relação às carreiras?  

Minha decisão de ocupar o cargo de Delegado de Polícia ocorreu durante a faculdade. Almejei o cargo, tracei a estratégia e alcancei a aprovação.

 

O senhor sofreu alguma cobrança de familiares e amigos pelo resultado pretendido?

Não. A cobrança sempre foi comigo mesmo. Depois de formado, você vê seus amigos da faculdade e da escola começando suas carreiras e ganhando dinheiro, enquanto você permanece um “estudante”. Esse período é muito difícil, porém com a aprovação, todo esforço vale a pena. 

 

Depois de aprovado, como foi sua rotina de Delegado de Polícia recém empossado?

Depois da posse, os delegados de polícia são encaminhados para ACADEPOL – Academia de Polícia, local onde permanecem em treinamento durante um período aproximado de 04 meses. Logo depois da ACADEPOL, fui designado para atuar na Central de Flagrantes da zona norte de São Paulo, momento em que inicie “de verdade” minha carreira como Delegado. No começo foi muito difícil, principalmente pela pouca experiência prática e pela pouca idade (26 anos). Entretanto, tive a sorte de contar com outros 03 Delegados e Polícia que trabalhavam na minha unidade, os quais me auxiliaram muito nas lavraturas das ocorrências (flagrantes e termos circunstanciados de ocorrência), bem como me deram diversos conselhos.

 

Quais as principais funções de um Delegado de Polícia?

A carreira de Delegado de Polícia sempre me fascinou pela característica dela ser jurídica – operacional, ou seja, para ocupar esse cargo, você precisa ter uma excelente formação jurídica/técnica, bem como ter um preparo operacional policial. A principal função do Delegado é a condução da investigação, a qual é materializada pelo inquérito policial. Outras funções são: lavratura do auto de prisão em flagrante; lavratura de termos circunstanciados, lavratura de boletins de ocorrência; representação por medidas cautelares (prisões temporárias e preventivas, mandados de busca e apreensão, quebra de sigilo bancário e/ou telefônico); condução da equipe em campo; administração da unidade policial; dentre diversas outras.

 

Qual foi o momento mais engraçado ou curioso da sua carreira até agora?

No plantão policial o Delegado de Polícia se depara com diversos tipos de ocorrências, sendo que muitas delas nem são de natureza criminal. Isso ocorre porque é o único lugar aberto para população 24 horas, 07 dias por semana, 365 dias por ano, com uma autoridade à disposição. Um dos casos mais engraçados que tive até hoje, foi durante um plantão policial em que uma senhora solicitou a presença do Delegado de Polícia, uma vez que tinha um caso de extrema complexidade e gravidade. Então, imediatamente fui conversar com a senhora que relatou: “Dr. preciso registrar uma ocorrência e solicito uma providência urgente da Polícia.” Respondi: “Pode falar!”. Quando ela disse: “Meu filho não quer trabalhar e nem estudar. Isso é um absurdo, ele tem 35 anos de idade e passa o dia jogando vídeo game. Isso é inaceitável, a Polícia precisa agir!”.

 

E o mais triste?

Mais triste, foi um caso em que eu estava no plantão policial quando recebi uma ligação da diretoria do IML - Instituto Médico Legal dizendo que o cadáver de uma criança de dois anos tinha dado entrada no local e que as lesões do corpo da criança não eram condizentes com o histórico do boletim de ocorrência. O histórico do BO dizia que a criança estava brincando quando se machucou e diante disso foi levada para o hospital e depois morreu. Contudo, o laudo preliminar necroscópico indicava que a criança tinha sido torturada até a morte, inclusive apresentava lesões antigas, ou seja, a criança foi torturada (apanhou) por diversos dias. Destarte, no mesmo dia, foi realizado a oitiva da médica legista, bem como de outras testemunhas e foi possível obter a prisão temporária do padrasto da criança, o qual foi apontado como o autor do crime.

 

Como é atuar num grupo de elite como o GOE? Como funciona o sincronia entre a ação operacional e a visão jurídica de uma situação de conflito?

 

Sou muito grato por ter a oportunidade de trabalhar no GOE. Atualmente o GOE tem como sua função precípua de prestar auxílio operacional para todas as delegacias de polícia da capital em cumprimentos de mandados (prisão e de busca e apreensão) que envolvam alta complexidade e risco, bem como apoiar policiais civis e realizar o patrulhamento preventivo especializado. A importância do cargo de Delegado de Polícia ser jurídica é exatamente essa, dar embasamento legal para o Delegado de Polícia poder sempre agir dentro da legalidade durante a investigação, durante a operação policial ou mesmo em uma situação de conflito, tendo em vista que eventual ilegalidade durante uma ocorrência pode contaminar toda prova que será colhida durante o inquérito policial. Diante disso, pode se observar a importância do Delegado de Polícia no comando de um grupo operacional, uma vez que além da parte operacional que ele complementará com a sua equipe, o Delegado também é responsável por manter a parte da legalidade, evitando assim, futura arguição de nulidade na colheita de eventual prova durante a ocorrência.

 

O que deve esperar o concursando na hora de optar pela carreira na Polícia Judiciária?

A carreira na Polícia Judiciária é apaixonante, tendo em vista que a atividade de investigação é dinâmica e concluir uma investigação com êxito, obtendo a materialidade e autoria do crime, é gratificante. Ocorre que atualmente as Polícias Judiciárias de todos os estados tem sofrido um desmonte dos governos, principalmente com a falta de abertura de novos concursos públicos, o que tem causado um envelhecimento da Polícia Civil.

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

RODRIGO CASTRO SALGADO DA COSTA

Rodrigo Castro Salgado da Costa

Delegado de Polícia do Estado de São Paulo, em exercício no GOE – Grupo de Operações Especiais cumulando com a equipe de polícia judiciária de combate aos crimes patrimoniais do 20º Distrito Policial.

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2017 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br