Página Inicial   >   Colunas

Língua Portuguesa Você sabe a diferença entre aquela hora e àquela hora?

04/08/2008 por Eduardo de Moraes Sabbag

Há poucos dias, a mídia divulgou a triste informação de que um padre brasileiro havia desaparecido após tentar o êxito em um vôo, preso a dezenas de pequenos balões infláveis. Lamentavelmente, o objetivo não foi alcançado, e o padre desapareceu.

 

Tirante o aspecto trágico da notícia, que tanto nos comoveu, os repórteres utilizaram em seus textos as expressões "aquela hora", sem crase, e "àquela hora", com crase. O tema é instigante, tendo motivado, há poucos dias, entre mim e um aluno concursando, um interessante diálogo, que passo a reproduzir abaixo na íntegra.

 

Trazendo consigo o recorte de jornal, em que figurava a notícia, o aluno me questionou:

 

- Professor, estou com uma dúvida sobre crase. Pode me esclarecer?

 

- Claro. Qual é o problema?

 

- Então, na triste notícia sobre o desaparecimento do padre, a mídia utilizou duas frases: (1) "Àquela hora, chegou" e (2) "Aquela hora chegou". Qual a diferença entre as frases? Além disso, por que há crase só na primeira?

 

Peguei papel e caneta e chamei o aluno para uma explicação detalhada.

 

- As frases têm sentidos diferentes - disse a ele -, indicando orações com sujeitos distintos e ações igualmente dessemelhantes. Começando pela frase mais simples, a número (2), temos "Aquela hora chegou". O sujeito da oração é "aquela hora", e o pronome demonstrativo "aquela" assume aqui a função sintática de adjunto adnominal do núcleo do sujeito (hora). Perceba que o sentido aqui é o de que "algo" chegou, ou seja, uma dada hora, uma certa hora, talvez, uma hora esperada, entendeu?

 

O aluno prestava atenção e parecia compreender tudo. Mas a dúvida que o incomodava estava mesmo na outra frase, acerca do uso da crase, na expressão "àquela hora".

 

- Sem problemas, professor - disse-me. Entendi tudo nesta frase (2) - demonstrando que ela não apresentava grandes problemas. Mas a frase (1) tem sentido diverso? E esta crase na expressão "àquela hora"?

 

- Sim, meu caro. Vamos analisar a frase "Àquela hora, chegou". Aqui, o sujeito da oração está oculto, referindo-se a alguém que tenha chegado - no caso, "ele", o padre desaparecido. Sintaticamente, tal omissão indica o que se denomina, em sintaxe, de sujeito oculto, desinencial ou elíptico. Portanto, teremos "Àquela hora, (ele) chegou" ou, desfazendo-se a inversão a que se procedeu, "(Ele) chegou àquela hora".

 

- Puxa, professor, o sentido, de fato, é outro! Enquanto na frase (2) "uma certa hora" havia chegado, aqui "alguém" é que chegou!

 

- É isso mesmo! Aliás, o uso desta crase no pronome demonstrativo é obrigatório, pois "àquela hora" é uma locução adverbial de tempo, modificadora na oração do verbo "chegar", devendo ser obrigatoriamente acompanhada do acento grave que indica a tal fusão chamada "crase" (a + aquela = àquela). Vale dizer que algumas locuções adverbiais de tempo, iniciadas pela preposição "em", podem ser formadas substitutivamente pela preposição inicial "a". Nesses casos, usa-se o acento grave da crase.

 

E, aproveitando, escrevi a ele alguns exemplos:

 

- Veja as frases:

"Àquela hora tudo estava calmo" ou "Naquela hora tudo estava calmo";

"Àquele tempo, a vida era difícil" ou "Naquele tempo, a vida era difícil". Ou, ainda:

"Àquela hora, aquela hora era a melhor hora!" ou "Naquela hora, aquela hora era a melhor hora!".

 

E, arrematando o raciocínio, à luz da frase proposta (1), concluí:

 

- Portanto, teremos "Àquela hora, (ele) chegou", indicando que o sentido aqui é o de que o padre teria chegado a algum lugar em uma certa hora, em um certo momento, temporalmente identificados.

 

- Nossa, Professor, há uma grande diferença! - exclamou o aluno. Devo, então, usar a crase nas locuções adverbiais em que se pode fazer a correlação  "À-NA" ou "ÀQUELA-NAQUELA" (à / àquela saída da escola = na / naquela saída da escola)?

 

- Sim, sem problemas. É um bom macete... O fato é que o uso da preposição "em" é mais comum na fala coloquial, e o "a" com o acento grave indicador da crase sugere uma escrita mais elegante e erudita. O importante é lembrar-se de que a regra do acento grave para o pronome demonstrativo vale para outras expressões adverbiais, tais como àquela altura, àquela época, àquele dia, àquele tempo, àqueloutro, àqueloutra, entre outras.

 

- Agora, sim, professor, eu entendi o porquê da crase na expressão "àquela hora".... Aliás, estou com uma questão de vestibular aqui comigo, exatamente sobre este tema, e noto que, "após sua explicação", o teste teria ficado bem fácil... (risos)

 

O aluno mostrou-me a frase considerada correta, em prova de Língua Portuguesa realizada em vestibular da Fundação Getúlio Vargas:

 

- A alternativa correta - disse-me - trouxe a frase "_____ hora, eu estava viajando para o Rio de Janeiro" (Aquela / Àquela), devendo o candidato preencher a lacuna com o pronome "Àquela" (com crase).

 

- É um bom teste - comentei -, principalmente para os que sabem...(risos)

 

Fazendo um trocadilho, despedi-me do aluno, comentando com humor o desafio destes vestibulandos:

 

- Para os candidatos, na prova, "aquela hora teria sido boa se, àquela hora, tivessem se lembrado dessas explicações..."

Comentários

  • Olegario Cayres
    16/07/2014 12:13:04

    Achei ótimo, principalmente quando o diálogo vem acompanhado de um caso concreto.

  • Ricardo
    24/02/2014 21:20:20

    O bacana na internet é isto: as coisas se perpetuam. Uma explicação tão boa disponível já a tanto tempo, nos sendo útil, atualmente.

  • Ricardo Barossi Ludwig
    24/02/2014 21:16:14

    Excelente! Era isso que eu procurava!

  • Douglas Pinheiro de Almeida
    12/03/2013 17:52:31

    Ótima explicação, inteligente e divertida! Parabéns!

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

EDUARDO DE MORAES SABBAG

Eduardo de Moraes Sabbag

Advogado, Professor e Autor de Obras Jurídicas, entre elas o "Manual de Direito Tributário" pela Editora Saraiva; Doutor em Direito Tributário, pela PUC/SP; Doutorando em Língua Portuguesa, pela PUC/SP; Professor de Direito Tributário, Redação e de Língua Portuguesa. Site e Redes Sociais: professorsabbag.

Site | Facebook / Twitter

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br