Página Inicial   >   Colunas

Filosofia Riqueza, Prazer, Trabalho e Pobreza

03/01/2017 por Luciene Félix

 

Amigos da Carta Forense, nesse janeiro, mês de férias, trazemos a brisa e os ensinamentos presentes na delicadíssima tela do francês Nicolas Poussin (1594-1665), que fez carreira (e muito sucesso!) em Roma.

 

Tudo a ver com nossos propósitos (e o alerta!) para o ano que se inicia, “Uma dança para a música do tempo” traz as figuras alegóricas da Riqueza, do Prazer, do Trabalho e da Pobreza, além do deus Jano (esculpido numa pedra, sobre um pedestal e envolto numa guirlanda de flores), a carruagem de Apolo e seu cortejo, a criança e o velho, no canto inferior direito e a outra criança fazendo bolhas de sabão, no canto inferior esquerdo.

 

Embarquemos numa das atividades mais prazerosas do mundo: contemplar uma obra de arte para – olhos e alma atentos – tentar “traduzir” o que o erudito artista está a nos revelar através de suas pinceladas.

 

Observem que o deus grego da saúde e da harmonia, Apolo (Hélios, na mitologia romana) está, lá do alto, dentro de um círculo dourado, o que representa a eternidade que é o nascer do Sol (Apolo). Ele é precedido por uma jovem – seguramente a deusa Aurora – que faz jorrar algo como pó de ouro (ou flores douradas) de suas mãos. E sua carruagem é seguida por algumas donzelas, a bailar, conhecida como sendo as “Horas”.

 

A representação pictórica dessas quatro divindades alegóricas, diz muito sobre as instâncias que presidem.

 

O Prazer é a única que nos encara convidativa e, reparem como seu olhar é tranquilo, alegre, feliz. Assim como a Riqueza, o Prazer também está calçado (isso é MUITO importante!). Não há dúvida de que o fato do Prazer ser a alegoria mais distante da Pobreza, nos diz muito sobre seu âmbito.

 

Sobre a cabeça de todas essas alegorias está algo ligado ao que elas representam e, o Prazer traz uma guirlanda de flores. Ora, flores são belas, exalam aromas agradáveis e… Perecíveis, efêmeras. O prazer também abarca a luxúria, o ócio e talvez seja por isso mesmo que dá às mãos à Riqueza. Afinal, sem dinheiro, como gozar o melhor da vida?

 

Atentem que o Trabalho está centralizado, entre o Prazer e a Riqueza. E ostenta a guirlanda de louros em sua cabeça! Realmente, o Trabalho é dignificado, faz jus à coroa de louros, símbolo da vitória. Note-se que o trabalho, assim como a Pobreza, estão descalços. Como sempre, nada é em vão, ou seja, em tudo o artista está a nos relatar o que apreende dessas instâncias.

 

O Trabalho dá as mãos à Pobreza e essa tenta dar às mãos à Riqueza, mas observem que elas (mãos da Pobreza e mãos da Riqueza) não chegam a se tocar. A Pobreza traz em sua cabeça um simples pano a prender seus cabelos, está descalça, se veste com modéstia e expressa um semblante comovente.

Muito bem trajada, a Riqueza, calça belíssimas sandálias douradas e traz uma guirlanda de pérolas na cabeça. É apropriado que a Riqueza ostente alguma joia, símbolo de fortuna, de recursos em abundância.

 

Também podemos ver que, enquanto a Pobreza traz mesmo uma expressão facial de sofrimento, a Riqueza apresenta um perfil sereno; já o Trabalho parece focado noutra coisa (na Riqueza?) e, como já dissemos, travesso, o Prazer tem uma carinha de felicidade, de indisfarçável satisfação.

 

Como se trata de “Uma dança para a música do tempo”, a figura do velhinho sentado tocando um instrumento musical parece introduzir a velhice (ou a morte) como elemento à espreita. Não importa o que façamos, a velhice e/ou a morte, está lá, rogando pela harmonia (aventa-se pela música) que essas quatro alegorias, quando bem orquestradas, presidem. Quanto às asas do idoso (o Tempo), Bem, o tempo voa mesmo.

 

Já a criancinha ao lado do velho, segurando uma ampulheta (que ainda tem muita areia para passar), indica que, como esse ano de 2017, a dança começou há pouco e vai durar algum tempo.

 

É curioso que uma inocente criança segure a frágil ampulheta. Podemos, heraclitianamente, “ler” algo também nisso: “O tempo é criança brincando, de criança o reinado.” (Frag. 52 , do filósofo pré-socrático, Heráclito de Éfesos, inspirador de Sócrates e Platão).

 

A outra criança, no canto inferior esquerdo, fazendo bolhas de sabão, parece estar a indicar a efemeridade da vida, que passa tão rápido. Muitos elementos nessa obra reiteram isso insistentemente. Fato que é que esta criança está a brincar. Talvez a vida seja mesmo uma brincadeira, que levamos a sério demais.

Sobre a presença do deus Jano (daí janeiro) nesse sólido pedestal, também vale a pena elucubrar. O maior monumento a Jano se encontra no Museu do Vaticano. Ele é bifronte, ou seja, tem duas faces: jovem, indicando o futuro e outra velha, representando o passado. Mas, às vezes, como no do Vaticano, ambos possuem longas barbas.

 

Jano, do latim, Janus, é o deus pagão dos fins e dos começos (dezembro e janeiro). Talvez sua presença nessa obra se justifique pelo fato dos antigos romanos considerarem que esse deus traz dinheiro. À Jano é creditada a invenção da moeda, que como ele também tem duas apresentações distintas: cara ou coroa.

 

A guirlanda de flores ornamentando Jano sugere mais uma contraposição entre o eterno e o efêmero: flores murcham, mas Jano se reinicia a cada ano. Sua afinidade com o Tempo, Saturno (Chronos) talvez se deva ao fato de alguns relatos mitológicos afirmarem que ele deu guarida ao deus do Tempo, quando esse fora destronado por seu caçula, Júpiter (Zeus).

 

Que nesse ano novinho em folha que agora se inicia, evitemos a pobreza, desfrutemos de muito prazer graças à riqueza, fruto de nosso trabalho!

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

LUCIENE FÉLIX

Luciene Félix

Professora de Filosofia e Mitologia Grega da Escola Superior de Direito Constitucional -
ESDC - www.esdc.com.br Blog: www.lucienefelix.blogspot.com
E-mail: mitologia@esdc.com.br

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2017 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br