Página Inicial   >   Colunas

Capa Pinheiro Neto - O Visionário da Advocacia no Brasi

05/10/2005 por Carta Forense

Aos 88 anos de idade, José Martins Pinheiro Neto, falece na cidade de São Paulo, no dia 21 de setembro, deixando seu legado à advocacia e seus passos marcados na história do Direito Brasileiro. O Menino Desde jovem se demonstrava uma alma inquieta, desafiadora e observadora, típica dos gênios que nasceram para inovar e ter uma vida de conquistas.

 

Quando menino junto ao seu amigo, André Franco Montoro, se divertia fazendo grandes buracos na estrada, cobrindo com jornal e areia para dar trabalho aos motoristas. As peraltices não se limitavam por aí, o famoso advogado se orgulhava em afirmar que foi um dos primeiros surfistas do Guarujá, pois quando jovem ele mesmo fez uma prancha de madeira para levar à praia.

 

Durante o período de acadêmico fugiu de casa, adiando o período de formatura para ir para Europa em plena Segunda Guerra Mundial, onde foi correspondente da BBC. Sua leviandade foi de grande utilidade nacional, pois com o pseudônimo de P. Xisto, Pinheiro era a única voz brasileira que contava diretamente da Europa as condições vividas naquela hora e naquele lugar. Voltou para São Paulo, onde foi trabalhar com seu pai, também advogado e dar continuidade ao curso de Direito no Largo de São Francisco, tendo como contemporâneos de classe André Franco Montoro (amigo de infância), Ulisses Guimarães, Auro Soares Moura, Antonio Silvio Bueno entre tantos outros. Logo após a conclusão do curso serviu no 4º Esquadrão de Cavalaria, período este que ficava passeando a cavalo por São Paulo.

 

O Homem Extremamente organizado, Pinheiro Neto gostava de ter absoluto controle de tudo que era de seu interesse, desta forma acompanhava tudo de perto, para que saísse de acordo com sua vontade. Tinha um temperamento típico dos perfeccionistas, que muitas vezes incomodava algumas pessoas que com ele conviviam. Extremamente rígido, exigia dos outros a mesma dedicação que ele dava às coisas. Embora energético, nunca foi grosseiro, aliás, sua educação foi sempre muito admirada, fazendo com que um amigo lhe desse o apelido de "Príncipe da Renascença".

 

Quando se exaltava mais que o recomendável, procurava, sem alarde, arrumar um jeito de se reconciliar. Embora uma pessoa muito séria, tinha crises de humor, em momentos que ninguém esperava. Conta-se que uma vez os advogados Orlando di Giacomo e Antonio Peres redigiam um contrato às 4h30 da madrugada no escritório, quando do nada apareceu Pinheiro Neto. Aproximou-se da dupla que já trabalhava há 48 horas e falou: - Quem não tem competência para resolver os problemas durante o dia precisa trabalhar de madrugada! Logo saiu rindo, da sua própria piada.

 

Casou-se duas vezes e teve dois filhos advogados e uma filha que é dona de casa. Nos jantares e festas, que era convidado, chegava cedo e depois de alguns minutos já se ausentava. Uma de suas paixões era a velocidade, nos domingos bem cedo saia com o carro sem rumo, percorrendo uma trajetória de aproximadamente 200 km (ida e volta) nas estradas em alta velocidade. Quando retornava para sua casa, seus familiares tinham acabado de acordar. Por seus longos anos de serviços prestados à comunidade britânica, sobretudo como presidente da Cultura Inglesa, recebeu da Rainha da Inglaterra o título de Sir Pinheiro Neto, sendo que poucas pessoas no mundo o têm, sobretudo estrangeiros. O Advogado Após um tempo advogando com o pai, decidiu aos 25 anos abrir seu próprio escritório de advocacia na Rua José de Bonifácio, e desde então começou revolucionar a advocacia.

 

Seu espírito empreendedor e sua visão vanguardista iniciaram o processo de modernização da advocacia no Brasil. O modelo antigo de escritório onde um único advogado centralizava tudo estava fadado à extinção, sobretudo na área empresarial. A sociedade foi tomando cada vez mais corpo, e junto com este novo modelo, novos procedimentos se tornaram atualmente comuns em todas grandes sociedades de advogados do Brasil . Depois do brilhantismo inovador de Pinheiro Neto, a advocacia nunca mais seria a mesma. Para este crescimento foram contratados cada vez mais advogados, especialistas em cada área, brasileiros e estrangeiros. O escritório possuía grande quantidade de clientes de outros países, sobretudo ingleses e americanos, daí a efetiva necessidade de ter pessoal habilitado para atender esta demanda. Como forma de incentivo, e para valorizar mais a sociedade de advogados do que ao advogado individuo, Pinheiro instituiu um sólido plano de carreira, onde estagiários teriam a real oportunidade de se tornarem sócios, o que efetivamente aconteceu.

 

O conhecimento do Direito, o empenho e a ética foram os pilares do seu sucesso. Se um cliente sugerisse um término para a lide que fosse ilegal, Pinheiro não aceitava o caso e sempre afirmava: - "Se um dia eu tiver que advogar com talão de cheques, eu paro de trabalhar". Muitas vezes em reuniões que eram estimadas horas para conclusão da solução do caso, Pinheiro, em poucas palavras fazia com que o encontro não durasse mais que meia hora, tamanho era a sua visão ampla e o rápido raciocínio jurídico. Outra preocupação era com as novas gerações, Pinheiro investia muito no seu programa de estágio, de sorte que grande parte dos estagiários que lá passaram e ficaram se tornaram grandes advogados do mercado, por este motivo seu escritório é conhecido como "Navio Escola".

 

Quando pensou em se aposentar, se preocupou com os sócios a iniciar o processo de transição 10 anos antes do seu afastamento, para que o escritório pudesse seguir sempre os mesmos padrões de competência e qualidade. À data de seu falecimento o escritório contava com 315 advogados, 183 estagiários e 491 funcionários que integravam a equipe administrativa, de paralegais e de apoio.

 

O Legado Dentre os ensinamentos que Pinheiro Neto deixou através das experiências vividas por ele e sua equipe estão: - O escritório não é só uma pessoa, e sim a equipe por inteiro, de tal forma que através de uma pirâmide hierárquica todos possam estar completamente integrados. - O cliente é prioridade sempre, deve estar assessorado "full time". - O cliente é do escritório e não do advogado individualmente. - O cliente deverá ser assessorado preventivamente e conteciosamente com o mesmo zelo e atenção. - O advogado deve ser o conselheiro de seu cliente, estando próximo para todas as questões. - A postura do advogado deve ser exemplar para dignificar a classe. - Na redação das peças processuais deve ser extinto o "juridiquês", sendo as peças escritas em bom português, com objetividade e clareza, para que até a cozinheira do Dr Pinheiro possa entender o conteúdo. - O escritório deve ter os mesmos recursos que os melhores escritórios de Nova York e Londres possuem. "Pinheiro tinha na sua profissão, no seu trabalho, o seu maior desafio. O resto ficou sempre em segundo plano. Não digo que outras coisas não foram importantes na vida dele, mas evidentemente não tiveram o mesmo destaque"

 

Clemencia Beatriz Wolthers FRASES CÉLEBRES "Faça uma vez, faça bem feito. E esqueça." "Meus três desejos são: sorte, saúde e muito trabalho." "Ou você é bom advogado, ou um bom pai de família, ou um bom marido. As três coisas ao mesmo tempo, jamais." "Mais da metade da dívida externa brasileira passou pelo meu escritório" "Brigue com quem está em cima ou brigue para os lados. Nunca para baixo".

 

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

CARTA FORENSE

Carta Forense

redação Carta Forense

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2017 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br