Página Inicial   >   Colunas

Crônicas Forenses O SAPATO

02/04/2007 por Roberto Delmanto

                            O corretor de imóveis, aos quarenta e cinco anos, era um homem de sucesso: dono de uma das maiores imobiliárias de São Paulo, com centenas de anúncios semanais nos principais periódicos; bem casado há vinte e cinco anos e com os dois filhos já adolescentes.

 

Nos últimos tempos, contudo, as coisas haviam mudado: a mulher mostrava-se indiferente e distante. Chegou a desconfiar do relacionamento dela com um vizinho do prédio, um belo moço de vinte e poucos anos, cerca de 1,95 de altura e compleição atlética; mais de uma vez chegou a perceber olhares comprometedores entre os dois.

 

As suspeitas aumentaram quando a mulher lhe pediu o desquite; sem provas do adultério, acabou se separando amigavelmente.

 

Meses após a separação, nas vésperas do Natal, resolveu visitar de surpresa a ex-mulher e os filhos no luxuoso apartamento em que eles continuavam a morar.

 

O porteiro lhe disse que os meninos não estavam, apenas a ex-esposa.

 

Tocou a campainha. Após algum tempo, a ex-mulher abriu a porta, ocasião em que pôde notar o seu nervosismo; teve também a ligeira impressão de que um vulto passara em direção à área de serviço.

 

A discussão entre o ex-casal iniciou-se na sala e prosseguiu no antigo quarto. Foi aí que o corretor notou, próximo à cama, um pé de sapato muito grande, número 46 ou 47, que não era de nenhum de seus filhos, mas, certamente, do jovem vizinho...

 

A agressão verbal descambou, então, para a física, terminando com ambos machucados, ela mais do que ele, principalmente nas costas.

 

A ex-mulher dizia que ele a agredira covardemente, tendo ela apenas se defendido. O corretor alegava que fôra ela que o atacara, buscando ele somente se defender. O ex-marido acrescentava ao seu relato um pormenor curioso: em dado momento ela teria procurado entrar debaixo da cama, achando ele que a mesma ia apanhar o revólver que, desde os tempos de casados, era guardado debaixo dela; ao tentar impedi-la, acabou caindo com seus mais de noventa quilos sobre o leito, fazendo com que o estrado se quebrasse e atingisse as costas da ex-mulher.

 

Esta, além de acusar o ex-marido de agressão, também lhe imputava ter danificado o apartamento.

 

A vistoria realizada no imóvel para comprovar os danos, ilustrada com fotografias, confirmou que o estrado estava quebrado, dando respaldo à versão do corretor.

 

Este, de quem fui advogado, acabou absolvido por falta de provas.

 

Nem ele nem a ex-mulher mencionaram o suposto amante durante o processo.

 

Mas quem examinasse com atenção as fotos da vistoria, não poderia deixar de notar, no canto inferior de uma delas, o enorme sapato...

 

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

ROBERTO DELMANTO

Roberto Delmanto

Advogado criminal, é autor dos livros Código Penal Comentado, Leis Penais Especiais Comentadas, O Gesto e o Quadro, A Antessala da Esperança, Momentos de Paraíso-memórias de um criminalista e Causos Criminais, os quatro primeiros pela Saraiva e os demais pela Renovar”

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br