Página Inicial   >   Colunas

CRÔNICAS FORENSES O advogado da testemunha

02/03/2010 por Roberto Delmanto



            Arrolado para depor como testemunha de acusação em um processo criminal e temendo vir a tornar-se co-réu, pois a vítima, que o acusava de participação no crime, havia se habilitado como assistente do Ministério Público, o industrial pediu a um sobrinho, advogado recém formado, que o acompanhasse na audiência. O jovem prontamente aceitou o pedido do tio.

No dia e hora aprazados, ambos compareceram ao Fórum Criminal. Apregoado o feito, o sobrinho entrou com o tio na sala de audiência, e, ignorando que essa não é a praxe forense, sentou-se com este à mesa.

CHARGE-MONTAGEM.jpg - 16,65 KB

O juiz, vendo que havia três advogados presentes, ao invés dos dois já habilitados, ou seja, o defensor e o assistente, passou a perguntar-lhes a quem representavam: o primeiro respondeu que era advogado do réu e o segundo, que era assistente de acusação.

Quando indagou ao jovem causídico a quem representava, ele, orgulhosamente, em alto e bom som, respondeu: "Eu sou advogado da testemunha".

Todos, com exceção do tio, não puderam segurar o riso...

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

ROBERTO DELMANTO

Roberto Delmanto

Advogado criminal, é autor dos livros Código Penal Comentado, Leis Penais Especiais Comentadas, O Gesto e o Quadro, A Antessala da Esperança, Momentos de Paraíso-memórias de um criminalista e Causos Criminais, os quatro primeiros pela Saraiva e os demais pela Renovar”

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br