Página Inicial   >   Colunas

CONCURSOS Minha Trajetória nos concursos

05/10/2010 por Alexandre Augusto Quintas

Em que momento decidiu se enveredar pelos concursos públicos?

 A vontade de me enveredar pelos concursos públicos ocorreu antes mesmo do ingresso no curso de Direito, pois eu tinha verdadeira admiração pelo trabalho desenvolvido pelos profissionais das carreiras jurídicas. Nessa perspectiva, para que pudesse estar apto a assumir tão sublime missão, me dediquei aos estudos desde o meu primeiro dia de aula na graduação.

Quando iniciou seu preparo? Qual metodologia usou?

Como havia referido, o meu preparo teve inicio já no primeiro dia de aula na Universidade. Paralelamente, no último ano letivo do curso de Direito, passei a frequentar cursinhos preparatórios. Quanto a metodologia, esclareço que cada candidato deve desenvolver a sua própria estratégia de estudos, levando em consideração suas individualidades (tempo, recursos, possibilidades e dificuldades), lembrando-se, sempre, de que não podem faltar muita disciplina, perseverança e foco no objetivo a ser alcançado.

Quanto tempo demorou para ser aprovado no primeiro concurso?

Fui aprovado, um ano após graduar-me em Ciências Jurídicas, para vários cargos públicos, dentre eles: os cargos de Advogado da União, Delegado de Polícia e Procurador do INSS (atualmente Procurador Federal). Por fim, fui aprovado, em primeiro lugar, para o cargo de Juiz-Auditor Substituto da Justiça Militar da União.

A Justiça Militar sempre foi seu foco principal?

Sim, por ter bastante afinidade com as Forças Armadas e apreciar o trabalho realizado na Bicentenária Justiça Militar da União, nutria o desejo de me tornar Juiz-Auditor Substituto e ser membro desta Justiça Especializada.

O senhor sofreu alguma cobrança de familiares e amigos pelo resultado pretendido?

Não! Ressalto que o apoio incondicional da família foi fundamental para eu alcançar o objetivo almejado. Foram anos de renúncias e abdicação da companhia de pessoas queridas. Quantas vezes me privei de momentos preciosos com meus familiares e amigos. Nesse passo, o apoio dessas pessoas foi fundamental para que eu alcançasse o sucesso nesta concorrida disputa.

Depois de aprovado, como foi sua rotina de juiz- auditor recém empossado?

Foi uma experiência difícil, mas muito importante para a minha carreira de Magistrado. Tomei posse no cargo de Juiz-Auditor Substituto da Auditoria da 5ª CJM, sediada em Curitiba/PR, no dia 13 de novembro de 2006. Entrei em exercício, naquele Juízo, no dia 04 de dezembro do mesmo ano. Todavia, por questões administrativas, exerci a titularidade do foro até o dia 08 de abril de 2008. Com efeito, este fato fez com que eu tivesse que me superar para atender as demandas jurisdicionais e administrativas da Auditoria Militar, o que foi muito trabalhoso, mas o resultado disso foi muito importante para o meu amadurecimento como pessoa e Juiz!

Quais são as atividades que um juiz militar federal exerce? Como é a rotina profissional?

As atividades que um Juiz-Auditor exerce são as mesmas exercidas por qualquer Magistrado, ou seja, realiza audiências de instrução e julgamento, profere decisões, despachos e, ainda, é o responsável por relatar (redigir) as sentenças proferidas pelos Conselhos de Justiças nas Sessões de Julgamentos, que na Justiça Militar são realizados em audiência pública.

Qual foi o momento mais engraçado ou curioso da sua carreira até agora?

O mais curioso foi iniciar na carreira de Magistrado e, mesmo sem experiência, assumir, interinamente, a titularidade da Auditoria. Fato que, embora tenha me deixado apreensivo, serviu de motivação para eu pudesse superar as minhas limitações.

E o mais triste?

Quando percebo que a Justiça Militar da União, embora pertença ao Poder Judiciário Nacional e seja a "Justiça mais antiga do país", ainda é uma mera desconhecida nos centros acadêmicos e da sociedade.

Quando um acadêmico ou bacharel toma a decisão de ingressar numa carreira pública, qual o primeiro passo a ser dado?

A consciência de que devemos SERVIR deve nos acompanhar sempre, para que os destinatários desta nobre missão estatal sintam-se realmente amparados.

O que deve esperar o concursando na hora de optar pela carreira na Magistratura da Justiça Militar?

Quando um concursando opta pela carreira de Magistrado ele deve estar convicto, inicialmente, de que deverá exercer o seu mister com independência, imparcialidade, lisura, buscando a qualidade da prestação jurisdicional, sem descurar de que para a parte, justiça é fazer atuar a lei ao caso concreto com a celeridade exigida pelos tempos modernos. Além disso, deve ter a consciência de que a Justiça Militar da União, por ser um ramo especializado do Poder Judiciário, possui idiossincrasias que devem ser compreendidas pelo concursando.

 

 

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

ALEXANDRE AUGUSTO QUINTAS

Alexandre Augusto Quintas
Juiz-Auditor Substituto da Justiça Militar da União. Aprovado em 1º lugar no concurso

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2017 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br