Página Inicial   >   Colunas

Minha Trajetória Maria Tereza Uille Gomes

13/02/2008 por Maria Tereza Uille Gomes

Carta Forense - Em que momento decidiu se enveredar pelos concursos públicos?

 

Maria Tereza Uille Gomes - Imediatamente após o início da Faculdade de Direito na Universidade Estadual de Londrina. Ingressei em Direito com 16 anos de idade e logo após pedi para fazer estágio voluntário e gratuito junto ao cartório da 3ª Vara Criminal da Comarca de Londrina. Aos 18 anos de idade fui aprovada em concurso público para auxiliar de cartório criminal. Fui designada para exercer o cargo de escrivã criminal em Londrina e junto à vara de execuções penais em Curitiba. Terminei a faculdade aos 21 anos de idade, cursei a Escola da Magistratura (na época não tinha Escola do Ministério Público) e com 22 anos de idade ingressei por concurso público no Ministério Público do Estado do Paraná para exercer o cargo de Promotora de Justiça.      

 

 

CF - Quando iniciou seu preparo? Qual metodologia usou?

 

MTUG - O preparo teve início a partir do momento em que ingressei na faculdade, decidi fazer concurso público e pedi para fazer estágio com intuito de aliar o conhecimento teórico com a atividade prática. A metodologia utilizada a partir daí foi a do estudo permanente com base nos marcos teóricos advindos das aulas na Faculdade de Direito, leituras complementares referenciadas, preparo através da Escola da Magistratura e vivência prática das atividades forenses.

 

A experiência prática vivenciada no âmbito do cartório, antes do ingresso no Ministério Público, foi muito rica e diferenciada por permitir uma visão completa do trabalho desenvolvido pelos diversos atores envolvidos no funcionamento do sistema judiciário. Rica em razão da apropriação do conhecimento jurídico e social, por permitir o acompanhamento da missão desempenhada pelo Ministério Público quando deflagra o início da ação penal e age como fiscal da lei, pelo Advogado ao promover a defesa, pelo Magistrado ao impulsionar o processo e proferir a sentença. E diferenciada por permitir o diálogo com os réus e sentenciados e ver o outro lado do processo, o lado humano das pessoas que são os verdadeiros sujeitos dessa relação e tentar compreender os motivos do crime, as raízes da violência, da exclusão, da pobreza e da desigualdade social. Destaco que é muito interessante ter a visão completa da estrutura organizacional burocrática do cartório que está por trás da engrenagem de todo esse sistema judiciário para pensar em formas alternativas e mais eficientes.        

 

 

 

CF - Quanto tempo demorou para ser aprovada no primeiro concurso?

 

MTUG - O primeiro concurso, para auxiliar de cartório, fiz enquanto cursava a faculdade e o segundo, destinado ao ingresso no Ministério Público, demorei pouco mais de um ano após tê-la concluído. 

 

 

 

CF - O Ministério Público sempre foi seu foco principal?

 

MTUG - Sim porque permite o exercício da criatividade e a deflagração do impulso inicial (ação de natureza resolutiva ou demandista) que provoca as grandes transformações sociais.

 

 

 

CF - A senhora sofreu com a cobrança de familiares e amigos pelo resultado pretendido?

 

MTUG - Sim mas a compreensão e o estímulo recebidos sempre foram maiores que a cobrança.

 

 

 

CF-  Depois de aprovada, como foi sua rotina de promotora recém empossada?

 

MTUG - Assumi como Promotora Substituta da Seção Judiciária de Jacarezinho e atuei naquela região por aproximadamente nove meses, até ser promovida como Promotora de Justiça de Jaguapitã. Fui muito bem recebida pelos Promotores titulares, Juízes, serventuários e funcionários e pela comunidade em geral e senti-me muito protegida e segura em relação às atividades a serem desenvolvidas. 

 

 

 

CF- Como foi vivenciar a experiência de ser promotora com advento da Constituição de 1988?

 

MTUG - Ingressei no Ministério Público em 1987 no ano que precedeu a Constituição de 1988. Vivenciei este marco divisor que fortaleceu o Ministério Público conferindo-lhe um novo perfil constitucional e a marca indelével de sua nobre missão a de defesa intransigente e prioritária dos interesses da sociedade, e que se sobrepõe aos interesses de quaisquer governantes.  

 

 

 

CF-  A Senhora foi a 1ª Procuradora Geral de Justiça do Estado do Paraná. Qual a sensação de ser a pioneira em um cargo tão importante, servindo de inspiração para mulheres da área jurídica? 

 

MTUG - A sensação de uma enorme responsabilidade e cobrança pelo fato de ser mulher e Promotora de Justiça com idéias novas e espírito empreendedor. Fui eleita pela Classe aos 38 anos de idade para exercer a Chefia da Instituição como Promotora de Justiça e sem ter sido promovida a Procuradora de Justiça (último degrau da carreira). Em 100 anos de história do Ministério Público do Estado do Paraná, a primeira mulher a assumir a Procuradoria-Geral de Justiça. Por duas vezes eleita 1ª Vice-Presidente do Conselho Nacional dos Procuradores Gerais de Justiça dos Estados e da União. E também a primeira mulher eleita pela Classe, por quatro vezes, para Presidir a Associação Paranaense do Ministério Público. Menciono estes marcos históricos  para identificar como a mulher encontra dificuldades para galgar determinados cargos ou funções, mas, sobretudo para que estas conquistas sirvam de estímulo às mulheres que exercem carreiras jurídicas.      

 

 CF-  Quando um acadêmico ou bacharel toma a decisão de ingressar numa carreira pública, qual o primeiro passo a ser dado?

 

MTUG - Ter criatividade e determinação. Identificar a carreira pública que mais se identifique com seus ideais, conhecer a lista de pontos destinados àquele concurso público, identificar os autores e o marco teórico que pretende seguir, delimitar um campo de estágio para aprendizagem e programar o tempo de dedicação para os estudos de cada disciplina. Organização e visão sistêmica.  

 

CF- O que deve esperar o concursando na hora de optar pela carreira do Ministério Público?

 

MTUG -<>

Comentários

  • Paulo Maffei
    23/06/2008 17:55:08

    Como esta o caso de Camila Pinto, filha de Neuza Pinto que hoje esta na rua sem soluΒo...

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

MARIA TEREZA UILLE GOMES

Maria Tereza Uille Gomes

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2020 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br