Página Inicial   >   Colunas

LÍNGUA PORTUGUESA Língua Portuguesa Virgulando...

03/12/2012 por Eduardo de Moraes Sabbag

A utilização da vírgula é um problema recorrente para o usuário da linguagem escrita. O motivo é simples: quando se utiliza a linguagem oral, procede-se à entoação que apraz, à pausa que convém e à sonoridade que melhor exprime o sentido da fala. Entretanto, quando se transporta a linguagem oral para o texto escrito, faz-se necessário dominar a vírgula, entre outros sinais de pontuação, a fim de transmitir o pensamento sem ambigüidade. Em outras palavras, vale dizer o que sempre anuncio, com certo tom de gracejo, em sala de aula:

 

“’Virgulamos’ bem, ao falar; ao escrever, não sabemos o que fazer!”.

 

Entre as várias regras do uso obrigatório da vírgula - um sinal de pontuação que indica a quebra de ligação sintática no interior da frase -, está uma que deixa todos de “cabelo em pé”: a vírgula antes da partícula “e”. Sabe-se que, em princípio, a conjunção “e” rechaça o uso da vírgula. Exemplo:

 

Comprei maçãs e peras.

Comprei maçãs, peras e abacaxis.

Entretanto, há casos curiosos de vírgula precedendo tal conectivo. Vamos a eles:

1º. Quando o “e” significar “mas”: é possível que encontremos a conjunção aditiva com acepção diversa da que lhe é natural, representando, pois, adversidade. Neste caso, a vírgula será de rigor, pois, como é cediço, virgula-se antes de conectivos adversativos (mas, porém, contudo, todavia etc.). Exemplos:

Todo político promete, e não cumpre.

(Traduzindo: Todo político promete, mas não cumpre.)

Quase morri de tanto estudar, e tirei nota baixa.

(Traduzindo: Quase morri de tanto estudar, mas tirei nota baixa.)

Vamos à próxima regra:

2º. Quando o “e” for repetido intencionalmente: trata-se de importante figura de sintaxe, conhecida por “polissíndeto”. Ao usuário, a intenção de ênfase será facilmente detectável. Note os exemplos:

E suspira, e geme, e sofre, e sua...” (Olavo Bilac)

Trejeita, e canta, e ri nervosamente.” (Antônio Tomás)

Observe mais uma possibilidade:

3º. Quando o “e” separar orações formadas por sujeitos distintos: é possível a construção de período composto por orações com sujeitos diversos. Caso se pretenda uni-las com o conectivo aditivo em análise, a vírgula será obrigatória. Exemplos:

Uma mão lava a outra, e a poluição suja ambas.

1ª oração:  Uma mão lava a outra (Núcleo do sujeito: mão);

2ª oração: E a poluição suja ambas (Núcleo do sujeito: poluição).

Ou, ainda:

A mãe se fora para a cozinha, e Rafael olhava pra ele.” (José Lins do Rego)

O desembargador deu voto a nosso favor, e o terceiro juiz pediu vista.

Por fim, a última regra:

4º. Quando o “e” indicar realce: haverá vírgula antes do “e”, quando se quiser dar ênfase à expressão. Exemplos:

Disse, e repito, que hoje é o amanhã de ontem.

Neguei-o eu, e nego.” (Rui Barbosa)

Comeu bastante, bebeu demais, dormiu em excesso, e partiu.

Após verificadas as possibilidades destacadas, podemos começar a perder o “medo” de virgular. Com o estudo das regras, ficaremos autorizados a usar outra frase, diversa daquela anteriormente anunciada em sala de aula:

’Virgulamos’ bem, ao falar; ao escrever, não temos nada pra aprender!”.

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

EDUARDO DE MORAES SABBAG

Eduardo de Moraes Sabbag

Advogado, Professor e Autor de Obras Jurídicas, entre elas o "Manual de Direito Tributário" pela Editora Saraiva; Doutor em Direito Tributário, pela PUC/SP; Doutorando em Língua Portuguesa, pela PUC/SP; Professor de Direito Tributário, Redação e de Língua Portuguesa. Site e Redes Sociais: professorsabbag.

Site | Facebook / Twitter

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br