Página Inicial   >   Colunas

LÍNGUA PORTUGUESA EMBATE DE LOCUÇÕES

01/12/2017 por Eduardo de Moraes Sabbag

 

A dúvida é recorrente: as expressões “em vez de” e “ao invés de” são equivalentes ou não? Ou, na verdade, uma tem sentido diverso da outra?

Enquanto a celeuma persiste aqui e acolá, nota-se que o usuário da língua titubeia diante de tais expressões parônimas, optando pelo que lhe convém: usa “ao invés de”, por achar que transmite melhor sonoridade – quando não uma possível imagem de erudição; utiliza “em vez de”, sem saber se é caso de oposição ou substituição.

            Permanece válida a tradicional diferenciação: a locução “ao invés de” indica uma ideia de oposição (viver x morrer; subir x descer; sair x entrar; crescer x diminuir), enquanto “em vez de” aponta para um contexto de “substituição” (alfa no lugar de beta, sem a presença de antagonismos).

Em outras palavras: se quero afirmar, por exemplo, que o magistrado infligiu uma pena de três anos, no lugar de impor uma pena de dois anos, direi que “alguém foi condenado a três anos EM VEZ DE dois”. Observe que prevaleceu a mera ideia de substituição de elementos, de uma coisa no lugar de outra, e não de oposição de contextos.

Por outro lado, se desejo afirmar que o magistrado condenou o réu no lugar de absolvê-lo, será possível assegurar que “o magistrado condenou o réu AO INVÉS DE absolvê-lo”.

Com efeito, a locução “em vez de”, indicando uma opção do falante, pode ser substituída por “no lugar de”, enquanto a outra locução (“ao invés de”), unindo frases antitéticas e antagônicas, significa “ao contrário de” – e, também, admite como sinônima a forma “ao revés de”. Vale lembrar, ainda, que o substantivo "invés", sem as preposições, significa "avesso, contrário, o próprio lado oposto".

Vejamos, desse modo, entre tantos outros exemplos possíveis, alguns deles com a forma “ao invés de”:

 

Ao invés de

Situação

Elementos 

Antitéticos

Exemplos:

Oposição

Viver x Morrer

Ele morreu ao invés de viver.

Oposição

Sair x Permanecer

Ela saiu ao invés de permanecer aqui.

Oposição

Subir x Descer

Ele subiu a árvore ao invés de descer.

Oposição

Comer x Jejuar

O homem comeu muito ao invés de jejuar.

Oposição

Vingar-se x Perdoar

Ao invés de vingar-se, perdoou ao delinquente.

 

Em outro giro, a expressão “em vez de” também pode ser bem exemplificada:

Em vez de

Situação

Elementos

Substitutivos

Exemplos:

Substituição

Disciplinas jurídicas

Estudo Direito Tributário em vez de Direito Penal.

Substituição

Esportes

Pratico natação em vez de futebol.

Substituição

Idiomas

Aprendi francês em vez de inglês

Substituição

Carros

Ele comprou uma BMW em vez de uma Ferrari.

Substituição

Horário

O encontro será às 14h em vez de 16h.

 

Ainda que a distinção das expressões pareça bastante evidente, a língua de hoje tem sancionado certas liberalidades, em face da força natural do uso. Há muitos estudiosos que aceitam a utilização da forma “em vez de” no lugar de “ao invés de”, ou seja, a expressão valeria indistintamente para os dois casos (substituição, o que lhe é normal, e oposição). Portanto, seriam válidas tanto a forma “Entrei ao invés de sair” como “Entrei em vez de sair”. Como se sabe, à luz da norma culta, só a primeira hipótese se mostra sustentável, em razão dos elementos antitéticos (entrar x sair). A nosso ver, tal flexibilidade pode ser danosa, principalmente se estivermos em um ambiente de provas de concursos públicos, em que a norma culta é cobrada de modo cartesiano. Por isso, a cautela é necessária.

 Nessa linha de maior rigor semântico, temos recomendado que se evite a locução “ao invés de” para os casos em que prevalecer a ideia de substituição. Assim, na adequada frase “Joana pagou com dinheiro em vez de cheque”, evite a outra possibilidade: “Joana pagou com dinheiro ao invés de cheque”. Veja que não há espaço para o uso da locução “ao invés de”, em face da ausência de oposição entre os elementos cotejados (dinheiro e cheque).

A propósito, citem-se dois bons exemplos, colhidos da letra de lei – do Código Penal, no caso –, que denotam o mau uso da expressão “ao invés de”, sem que os elementos confrontados impliquem inequívoca oposição:

1. Art. 73, CP: “Quando, por acidente ou erro no uso dos meios de execução, o agente, AO INVÉS DE atingir a pessoa que pretendia ofender, atinge pessoa diversa, responde como se tivesse praticado o crime contra aquela, (...)” (grifo nosso)

COMENTÁRIO: o contexto é o de se atingir uma pessoa no lugar da outra, e não o de uma “oposição” entre elas. Daí concluirmos que o melhor uso seria o da locução “em vez de”;

2. Art. 81, §3º, CP: “Quando facultativa a revogação [da suspensão condicional da pena], o juiz pode, AO INVÉS DE decretá-la, prorrogar o período de prova até o máximo, se este não foi o fixado.” (grifos nossos)

COMENTÁRIO: o contexto é o de poder prorrogar-se o período de prova no lugar de se decretar a revogação da suspensão condicional da pena, e não o de uma “oposição” entre os elementos jurídico-processuais. Daí concluirmos que, também, o melhor uso seria o da locução “em vez de”.

Desse modo, com os parâmetros acima expostos, acreditamos que ficou fácil separar uma locução da outra.

Em tempo, não posso deixar de narrar aqui um marcante episódio que se passou com um aluno, em uma de minhas aulas de português. Eu havia terminado as explicações sobre as duas locuções. Ele as ouviu atentamente, escreveu tudo no caderno e, de modo confiante, partiu para o exercício que coloquei na lousa. Entretanto, algo inesperado aconteceu: ele acabou errando o teste e, com muita frustração, disse-me:

- Professor! Errei! Estou desanimado...

Aproveitei o momento e, em bom trocadilho, respondi-lhe:

- Se errou ao invés de acertar, estude mais em vez de reclamar!

 

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

EDUARDO DE MORAES SABBAG

Eduardo de Moraes Sabbag

Advogado, Professor e Autor de Obras Jurídicas, entre elas o "Manual de Direito Tributário" pela Editora Saraiva; Doutor em Direito Tributário, pela PUC/SP; Doutorando em Língua Portuguesa, pela PUC/SP; Professor de Direito Tributário, Redação e de Língua Portuguesa. Site e Redes Sociais: professorsabbag.

Site | Facebook / Twitter

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2017 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br