Página Inicial   >   Colunas

FILOSOFIA As cinco etapas do movimento de realização da realidade - Parte I

02/08/2011 por Luciene Félix

 O que torna a realidade "e;real"e;? Em sua obra "Analítica do Sentido - Uma aproximação e interpretação do real de orientação fenomenológica", Dulce Critelli, profunda estudiosa do filósofo existencialista Martin Heidegger (vide artigo anterior, na Carta Forense), nos esclarece sobre a realidade e seu movimento de realização.

De acordo com esta corrente filosófica, a condição sine qua non para que algo seja percebido, ou seja "e;exista"e;, é a luz (do grego, phós - phos). Luz, tanto do ser e dos seres que são e se dão a perceber, quanto do olhar humano "que se institui como sua clareira", seu lugar de aparição.

Mas, embora seja o indivíduo quem vê, seu olhar não é individual. Existimos com os demais, ou seja, compartilhamos uma coexistência e esse ser-no-mundo com os outros, além de fundamentar e possibilitar o conhecimento é igualmente, fundamento para o aparecimento dos entes: "O olhar do homem é constituído por sua coexistência, que, como tal, é fundamento do movimento de fenomenização dos entes e do fenômeno.", afirma Critelli.

Como não somos sós, é a coexistência que fundamenta o movimento fenomênico do mostrar-se/ocultar-se dos entes em seu ser, o "e;acontecimento"e;: "Pois é desde o que acontece que a possibilidade ontológica pode ser compreendida como possibilidade e, portanto, como fundamento desse acontecimento", diz a autora.

Dessa forma, por estarmos concretamente no mundo com os outros, situados geográfica e historicamente (datados no tempo), instaura-se nosso duplo caráter, que é o de ser "o lugar, ou a clareira onde o ente pode manifestar-se para um olhar e, ao mesmo tempo, ser o olhar, ou a iluminação que provê esta mesma manifestação".

Para que algo "e;apareça"e; é necessário que tenha como origem a iluminação daquele que percebe, recolhe, apanha, e que esse apanhado seja compartilhado numa coexistência, cuja função é justamente permitir este mostrar-se fenomênico.

Em termos de realidade, é sendo um ser-no-mundo com os outros que o fenômeno É. Quando o ente aparece, ele já foi forjado como real. As coisas não se mostram primeiro para somente depois serem convertidas em realidade: "(...) a própria percepção de algo pressupõe que esse algo tenha sido o resultante de um movimento de realização".

Chamamos a atenção para o fato de que esse movimento de realização, que é o que permite a aparição dos entes, "cujo fundamento e desdobramento são atemporais, existenciais e não meramente metodológicos" difere da compreensão metafísica.

Enquanto para a metafísica há o Ser (inapreensível), para a fenomenologia, isso não é absolutamente definitivo: muito do que não se abarcava antes, hoje é perfeitamente compreensível; do mesmo modo, há muito por ser revelado. Assim, metafísica e fenomenologia existencialista, diferem sobre a interpretação do que seja o real, a realidade.

Fenomenologicamente, o que torna os seres reais é:

1)  Quando desocultado por alguém: desvelamento,

2)  Ser acolhido e expresso através de uma linguagem: revelação,

3)  Quando visto e ouvido por outros: testemunho,

4)  Quando o testemunhado é referendado como verdadeiro por sua relevância pública: veracização e,

5)  Uma vez publicamente veracizado, algo é efetivado em sua consistência através da vivência afetiva e singular dos indivíduos: autenticação.

Em virtude de limite, ponderaremos sobre os três últimos passos depois. Por ora, discorreremos sobre as duas primeiras etapas, ou seja, até o momento em que a existência de fantasmas (ou alma d"e;outro mundo) é possível: desvelamento (desocultamento) e revelação (palavra).

Desvelamento: enquanto as coisas não forem expostas à luz e desveladas (retirado o véu) por alguém, permanecem no reino do nada, ocultas. Mas o que for trazido à luz não permanece, necessariamente, desvelado para sempre, tampouco do mesmo modo.

Um exemplo dessa mutabilidade é a crença que os antigos gregos tinham de que a natureza era presidida por divindades. A "e;desocultação"e; (desvelamento) dessas forças vitais se alteraram ao longo de nossa existência: "É toda uma trama de organização social, histórica, coexistencial que se estabelece a partir de cada uma dessas perspectivas." Outrora deuses, ora arquétipos (junguiano), ora razão, etc., antes, pertenciam ao reino do nada e ansiavam pelo desvelamento.

Para o filósofo alemão Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831), essas forças vitais abrangem todas as ações históricas (ele denomina de "Razão Absoluta"), nem míticas tampouco religiosas, mas algo "determinante, quase fatal, - irreprimível." Universais e com poder de engendramento, nos movem, mesmo que não tenhamos consciência ou controle sobre elas: "(...) transcendem nossa mera vontade, posição, nosso saber e controle objetivo das situações." É uma possibilidade.

Para a fenomenologia existencialista, o ente também se mostra quando volta para o escuro, para o reino do nada e fica encoberto. Também pode ser ignorado, esquecido, desentendido (compreendido e, depois, desaprendido) e até, por distração, ocultado.

O aparecimento das facetas ocultas dos entes se dá à luz do tempo do existir e não necessariamente do esforço racional e cognitivo: "A volta para o velamento que constitui o mostrar-se dos entes, o encobrimento de suas facetas, não é nada negativo, mas essencial." Velar, esquecer, torna a existência mais suportável.

As coisas não se revelam no total de suas possibilidades, mas totalmente em uma de suas possibilidades: "Este movimento é existencial, temporal." E o que aparece precisa de alguma duração para que possa chegar à realização: "A chance de conservação da faceta ou da possibilidade desvelada da coisa está dada pela linguagem."

É a linguagem. Sendo assim, será NA e PELA palavra que o que foi desvelado dos entes poderá ser exposto. Daí, adentramos à 2ª etapa desse ciclo de movimento de realização da realidade:

Revelação: Confirmamos e conservamos a manifestação do que aparece através da fala: "A palavra é o duplo do ser", diz o filósofo Merleau-Ponty. "A linguagem é a casa do ser", afirma Heidegger.

A condição para que algo exista é poder ser apresentado pela linguagem. As coisas são através da fala. Do que não se fala sequer se cogita a existência. Mesmo que exista, não sendo verbalizado, não é satisfatoriamente revelado.

Nos relatos míticos, temos a união entre o criador e a criação por meio das palavras: "Através do falar, na existência humana, é que o ser das coisas pode ser veiculado. (...) Essa é a função dos argumentos, das teorias: a reunião dos significados das coisas, a fim de exibi-las em seu sentido, em seus nexos e possibilidades ininterruptas de aparecimento."

Registrar conserva: "O desocultado precisa ser expresso em alguma linguagem para chegar a mais primária forma de aparecimento e manifestação." Desvelar é comunicar, tornando comum. E é na linguagem que o significado das coisas pode ser trazido à tona.

O portentoso estatuto da palavra deve-se ao fato dela acolher, guardar, conservar e expor o ser que, fora delas, "podem estar por ai, mas não são o que são e como são." A comunicação é fundamental para a revelação, para tornar os homens "e;humanizados"e; e para possibilitar o terceiro momento no movimento de realização, que é o testemunhar.

Sem testemunho, o que foi desvelado e revelado se esvai, dissolve-se, dissipa-se, não se sustenta. Para a filósofa alemã Hannah Arendt (1906-1975), o principal atributo do mundo é o fato de ele ser percebido em comum por todos nós. Testemunhar, veracizar e autenticar são temas de nosso próximo encontro.

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

LUCIENE FÉLIX

Luciene Félix

Professora de Filosofia e Mitologia Grega da Escola Superior de Direito Constitucional -
ESDC - www.esdc.com.br Blog: www.lucienefelix.blogspot.com
E-mail: mitologia@esdc.com.br

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br