Página Inicial   >   Colunas

LÍNGUA PORTUGUESA A "queda do circunflexo" em CREEM, DEEM, LEEM E VEEM

01/07/2009 por Eduardo de Moraes Sabbag

O Acordo Ortográfico determinou a supressão do acento circunflexo nas formas verbais dissílabas terminadas por "-eem". Antes da medida unificadora, convivíamos com as formas acentuadas "crêem", "dêem", "lêem" e "vêem". Tais palavras, ditas "paroxítonas", isto é, aquelas cuja sílaba tônica é a penúltima, circulavam por aí com o acento circunflexo - um sinal gráfico dispensável, até certo ponto, em tais palavras. Após o Acordo, tudo mudou: passamos a escrever as formas verbais sem o acento gráfico ("creem", "deem", "leem" e "veem").

No estudo dos verbos, quando conjugávamos os verbos "crer", "ler" e "ver" na terceira pessoa do plural do presente do indicativo, obtínhamos as formas acentuadas:

 

Eu creio, tu crês, ele crê, nos cremos, vós credes, eles crêem.

Eu leio, tu lês, ele lê, nos lemos, vós ledes, eles lêem.

Eu vejo, tu vês, ele vê, nos vemos, vós vedes, eles vêem.

 

Após o acordo, passamos a ter:

 

Eu creio, tu crês, ele crê, nos cremos, vós credes, eles creem (sem acento).

Eu leio, tu lês, ele lê, nos lemos, vós ledes, eles leem (sem acento).

Eu vejo, tu vês, ele vê, nos vemos, vós vedes, eles veem (sem acento).

 

Nesse passo, quando conjugávamos o verbo "dar" na terceira pessoa do plural do presente do subjuntivo, obtínhamos a forma acentuada:

 

(Que) eu dê, (que) tu dês, (que) ele dê,

(que) nós demos, (que) vós deis, (que) eles dêem.

 

Após o acordo, passamos a ter:

 

(Que) eu dê, (que) tu dês, (que) ele dê,

(que) nós demos, (que) vós deis, (que) eles deem (sem acento).

 

 

Curiosamente, deve-se notar que tal regra, após o Acordo Ortográfico, será estendida aos verbos derivados dos acima destacados. Observe:

 

Se agora escrevemos "creem", deve-se grafar "descreem", ambas sem o acento gráfico;

Se agora escrevemos "leem", deve-se grafar "releem", ambas sem o acento gráfico;

Se agora escrevemos "veem", deve-se grafar "reveem", ambas sem o acento gráfico.

 

Aliás, por analogia ao verbo "ver", sobressai o verbo "prover", na acepção de "suprir, abastecer", avocando a mesma regra:

 

Ele provê a casa de alimentos.

Eles proveem a casa de alimentos (sem acento)

 

Recomenda-se, todavia, muita cautela com um verbo similar a "ver", mas que com este não se confunde: o verbo "vir". Trata-se de verbo que, ao lado dos seus derivados (convir, provir etc.), permaneceu com o chamado acento diferencial. Assim, vamos continuar usando "ele vem" / "eles vêm". Da mesma forma, o acento diferencial permanece incólume nas oxítonas "ele intervém" / "eles intervêm" e "ele convém" / "eles convêm".


Como forma de memorização, sugiro alguns trechos colhidos da literatura e da música popular brasileira, demonstrando-se a forma que assumiriam se fossem hoje escritos em consonância com a nova regra de acentuação:

 

 

Antes do Acordo Ortográfico

Após o Acordo Ortográfico

"Tudo isto é enredo grande, / e, por todos os lados, / falsidades se vêem."

(Excerto de Romance 52 ou Do Carcereiro - Romanceiro da Inconfidência, Cecília Meireles).

"Tudo isto é enredo grande, / e, por todos os lados, / falsidades se veem."

 

Antes do Acordo Ortográfico

Após o Acordo Ortográfico

"Via o que é visível, via o que não via / O que a poesia e a profecia não vêem mas vêem, vêem, vêem, vêem, vêem..."

("Eu sou neguinha?" - Caetano Veloso)

"Via o que é visível, via o que não via / O que a poesia e a profecia não veem mas veem, veem, veem, veem, veem..."

 

Antes do Acordo Ortográfico

Após o Acordo Ortográfico

"Eles têm certeza do bem e do mal / Falam com franqueza do bem e do mal / Crêem na existência do bem e do mal / O florão da América, o bem e o mal."

("Eles" - Gilberto Gil)

"Eles têm certeza do bem e do mal / Falam com franqueza do bem e do mal / Creem na existência do bem e do mal / O florão da América, o bem e o mal."

 

Antes do Acordo Ortográfico

Após o Acordo Ortográfico

"Uns, com os olhos postos no passado, / Vêem o que não vêem: outros, fitos  / Os mesmos olhos no futuro, vêem  / O que não pode ver-se."

("Uns" - Ricardo Reis - Fernando Pessoa)

"Uns, com os olhos postos no passado, / Veem o que não veem: outros, fitos  / Os mesmos olhos no futuro, veem  / O que não pode ver-se."

 

Antes do Acordo Ortográfico

Após o Acordo Ortográfico

"Dêem-lhe uma espada, constrói um reino; dêem-lhe uma agulha, faz um crochê / Dêem-lhe um teclado, faz uma aurora, dêem-lhe razão, faz uma briga...!"

(Trecho de Elegia Lírica, retirado de Antologia Poética, Vinicius de Moraes)

"Deem-lhe uma espada, constrói um reino; deem-lhe uma agulha, faz um crochê / Deem-lhe um teclado, faz uma aurora, deem-lhe razão, faz uma briga...!"

 

Da mesma forma, seguem alguns testes de concursos e vestibulares, demonstrando-se a forma que assumiriam se fossem hoje solicitados em consonância com a nova regra de acentuação:

 

 

Correto, antes do Acordo Ortográfico

Correto, após o Acordo Ortográfico

(Notário Registro Civil - MG/2005) "Os cidadãos vêm procurar o Notário e o Registrador porque crêem na prestância deles e mantêm a certeza de receber orientação de profissionais qualificados."

(Notário Registro Civil - MG/2005) "Os cidadãos vêm procurar o Notário e o Registrador porque creem na prestância deles e mantêm a certeza de receber orientação de profissionais qualificados."

 

Correto, antes do Acordo Ortográfico

Correto, após o Acordo Ortográfico

(CESGRANRIO) Ele / eles vêem / Que ele / Que eles dêem

(CESGRANRIO) Ele / eles veem / Que ele dê / Que eles deem

 

Correto, antes do Acordo Ortográfico

Correto, após o Acordo Ortográfico

(ESAF) Por favor, dêem-lhe uma nova chance.

Por favor, deem-lhe uma nova chance.

 

Correto, antes do Acordo Ortográfico

Correto, após o Acordo Ortográfico

(FGV-RJ) Nestes momentos os teóricos revêem os conceitos. / Eles provêem a casa do necessário.

Nestes momentos os teóricos reveem os conceitos. / Eles proveem a casa do necessário.

 

Correto, antes do Acordo Ortográfico

Correto, após o Acordo Ortográfico

(OSEC) O plural de tem, , ; é, respectivamente, têm, dêem, vêem. 

O plural de tem, , ; é, respectivamente, têm, deem, veem. 



Diante do exposto, tem-se notado que os falantes veem as novidades trazidas pelo Acordo Ortográfico, leem as manchetes escritas "de acordo com o Acordo", mas não creem no alcance delas. É vital que deem atenção à nova regra. Por essa razão, tenho dito, valendo-me de trocadilho: "Se apenas creem quando veem, espera-se que deem atenção ao que ora leem". Boa sorte a todos!"

 

Comentários

  • maria da penha lagôa
    06/10/2013 20:48:55

    Preferia como estava antes; sem o novo acordo ortográfico.

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

EDUARDO DE MORAES SABBAG

Eduardo de Moraes Sabbag

Advogado, Professor e Autor de Obras Jurídicas, entre elas o "Manual de Direito Tributário" pela Editora Saraiva; Doutor em Direito Tributário, pela PUC/SP; Doutorando em Língua Portuguesa, pela PUC/SP; Professor de Direito Tributário, Redação e de Língua Portuguesa. Site e Redes Sociais: professorsabbag.

Site | Facebook / Twitter

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br