Página Inicial   >   Colunas

Crônicas Forenses A Sustentação Oral

03/08/2006 por Roberto Delmanto
 

O Procurador de Justiça que atuava junto ao Tribunal de Justiça de São Paulo não era um grande orador. Mas, habilidoso argumentador, com fala mansa e macia, procurando mostrar-se sempre equilibrado e como o maior defensor da sociedade, conseguia ótimos resultados.

 

Nosso escritorio já havia experimentado dois reveses frente a ele.

 

Naquele dia era a vez de meu filho mais moço, Fabio, defrontar-se com o mesmo.

 

O caso não era fácil: defender um rapaz acusado de atentado violento ao pudor em plena via pública, à noite, próximo a uma banca de jornais, que havia sido condenado em Primeira Instância a severa pena.

 

Bem preparado e já vestido com sua beca, Fabio aguardava o momento de sua apelação ser julgada. O Procurador de Justiça era o já referido e, nas primeiras sustentações daquela tarde, com a costumeira habilidade, já vinha obtendo várias vitórias.

 

Sobre a sua tribuna, para nosso orgulho, o douto membro do Ministério Público Estadual só tinha um livro, que, pela lombada, identificava-se como sendo o Código Penal Comentado, do qual eu, Roberto e Fabio, em co-autoria com o saudoso Celso, meu irmão e tio deles, somos autores.

 

Ao ver que Fabio era um dos advogados inscritos para sustentar, o digno Procurador, antes de ser apregoada a sua apelação, discretamente virou o livro para o seu próprio lado, fazendo com que a lombada ficasse fora das vistas do público. Talvez tivesse receado que o jovem advogado explorasse a circunstância a seu favor, o que ele, certamente, não faria.

Mais foi um bom presságio: Fabio, com seu grande poder de comunicação e simpatia, soube explorar a falta de exame de DNA no semen encontrado nas vestes da vítima e o cliente foi unanimemente absolvido.

 

Pela primeira vez  - e espero que não seja a última -  nosso escritório conseguira vencer o conceituado Procurador, e nós nos sentimos um pouco "vingados"...

 

 

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

ROBERTO DELMANTO

Roberto Delmanto

Advogado criminal, é autor dos livros Código Penal Comentado, Leis Penais Especiais Comentadas, O Gesto e o Quadro, A Antessala da Esperança, Momentos de Paraíso-memórias de um criminalista e Causos Criminais, os quatro primeiros pela Saraiva e os demais pela Renovar”

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br