Página Inicial   >   Artigos

CAFÉ COM LENZA Quero dividir um sentimento...

04/11/2009 por Pedro Lenza

25 de setembro de 2005... Ainda tenho que finalizar alguns temas...[1]

Não sei se devo colocar isso no livro e dividir com os meus leitores...


Não sei se o Editor vai aceitar...


Acabo de chegar de um velório, de um grande amigo chamado Valdir.

Valdir foi uma pessoa exemplar, uma pessoa fiel.


A imagem que fica dele: sempre sorrindo, sempre vivendo, vivendo a vida com prazer e alegria, contagiando todos que estavam ao seu redor. Amava o Santos Futebol Clube, amava a música, amava o Tango. Amava a vida e a vida o amava. Tinha muitos amigos, mas amigos verdadeiros e sinceros.


Quando fui para Buenos Aires pedi várias dicas para o nosso amigo e não pude deixar de conseguir um CD autografado do Fernando Soler para ele e para a também queridíssima Margaret, a sua esposa.


Isso tudo me faz pensar um pouco na vida...

No dia-a-dia, na rotina, nos momentos que deixamos de passar com os nossos familiares e pessoas queridas, tudo justificado por um sonho, uma missão, uma realização...

Sei o que muitos enfrentam diariamente, nessa luta de estudos, diversas vezes ingrata e desanimadora, que é a vida do incansável "concurseiro".


Sei que muitas vezes abrimos mão de tanta coisa, tudo em busca de um sonho e de um ideal.


Muitas vezes nos confortamos dizendo que tudo aquilo vale a pena, já que a alma não é pequena e temos uma meta a ser atingida... Um projeto de vida.


Contudo, às vezes me pergunto: "será que vale tanto stress? Será que tudo vale mesmo a pena?"


Outro dia, depois de tanto trabalhar, depois de tanto escrever, deitei na cama, já tarde, e o meu coração estava disparado... Olhei para o lado, vi a minha esposa, minha querida (uma pessoa que amo muito e me ilumina diariamente) e pensei: "meu Deus, será que tudo isso vale mesmo a pena? Será que preciso ser tão perfeccionista assim?"


E se tudo acabar muito rápido como foi com o nosso amigo Valdir? Do que valerá tanto esforço?


Bom, vocês devem estar pensando: "então vamos largar tudo e largar o sonho?"

Nunca! É claro que não!

Não digo isso, apenas penso que devemos sempre ter o "foco", mas não nos esquecermos de que há muitos valores junto com a meta e temos que saber levar tudo em conjunto. Temos que, sim, viver a nossa vida como se fosse o último dia, deitar e pensar se fizemos tudo certo e, diariamente, reavaliar tudo. Devemos encarar a rotina com muita alegria e naturalidade.


Como amigo, nesse dia que me faz refletir, peço que também orientem as suas vidas na busca do sonho, mas sem nunca deixar que este se torne uma obsessão.


Penso comigo, todos os dias: "Pedro, é uma fase que vai passar..." Olho para trás, entretanto, e esse meu "estilo" de vida parece que sempre existiu e a fase difícil, de muito trabalho em busca do sonho, ainda persiste...


Sim, sempre temos que lutar pelo sonho, seja ele qual for. Para alguns, a Magistratura, para outros, o Ministério Público, a diplomacia, a vida acadêmica, a advocacia, uma pousada na praia... A vida é assim e, quando ele se concretiza, devemos ter novos sonhos e almejar novas metas.


Apenas quero dividir (e sei que é duro colocar em prática), que a meta não pode apagar a vida... Penso que devemos lutar (e a luta diária para vencer um concurso é desoladora...), mas essa luta deve ser "temperada" pelas belezas da vida... Com a alegria de olhar o "mar" e cruzar na caminhada da praia com muitos Valdires, pessoas que exalam alegria e vivem sem maldade, vivem com a pureza de uma criança...


Muito me impressionou e me tocou o filme "Dois Filhos de Francisco", que também traduz a luta por um sonho. Muitas vezes, pensamos que o sonho nunca virá ou se realizará. Muitas vezes, tudo parece indicar que é impossível.


Esta é, no entanto, a magia do sonho... A dificuldade nos alimenta e nos dá força, e a cada passo vencido encontramos mais energia em busca da realização.


Queridos leitores, espero que esse meu "projeto de vida", ou melhor, o "nosso" "Direito Constitucional Esquematizado", possa ajudar muitos "filhos de Francisco" que estão na luta pelo sonho... que pode parecer impossível, mas saibam que, se focado com amor e muita fé em Deus, em breve se realizará...


Não desistam, mas lutem com sabedoria, nunca se esquecendo que existe e sempre existirá um mundo ao nosso redor que não pode ser abandonado e nem paralisado.


Amigos "concurseiros", acredito em vocês, acredito no seu sonho que também é meu. Luto diariamente em busca da perfeição, para tentar contribuir de alguma maneira.

Convidem-me para a posse!


E você, Valdir, nosso querido amigo Valdir, do fundo do coração, valeu por você existir!



[1] Este texto foi escrito durante a atualização da 9ª edição do nosso "Direito Constitucional Esquematizado", Inicialmente, tinha a idéia de colocá-lo no livro, mas, por fim, acabei não o inserindo.

Comentários

  • Rafael Woitexem
    13/02/2013 23:21:46

    Sensacional! Simplesmente, empatia na acepção da palavra.

  • Paulo C'sar dos Santos
    13/11/2009 06:39:37

    Professor Pedro Lenza mais uma vez nos toca a alma com a sensibilidade de seus textos... Que o Esp¡rito Santo de Deus aben╬oe seu trabalho e sua vida - se ' que podemos dissoci -los, Prof. Dr. Lenza. Cum magnum gaudium et spes, Prof. Paulo C'sar dos Santos Instituto Nobre de Qualidade, Imagem e Conceito Recife - Pernambuco Post Scriptum: Minha solidariedade . fam¡lia do seu amigo Valdir, lembrando o que nos diz as Sagradas Letras: "se morremos com Cristo, por certo ressuscitaremos com Ele".

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

PEDRO LENZA

Pedro Lenza
Mestre e Doutor pela USP. Advogado e Professor do Complexo Jurídico Damásio de Jesus. Autor de Direito Constitucional Esquematizado, 21.ª ed., SARAIVA.

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br