Página Inicial   >   Artigos

EXAME DE ORDEM Estratégia de Realização de Provas Objetivas

04/01/2010 por Rogerio Neiva

O objetivo do presente texto consiste na abordagem de alguns aspectos cognitivos relevantes, de modo a provocar o candidato a concursos públicos ou ao Exame da OAB a desenvolver uma compreensão estratégica do processo de realização de provas.

 

A primeira compreensão fundamental envolve a idéia de que a prova consiste num processo cognitivo, no qual é solicitada do candidato a mobilização de informações, bem como a realização de raciocínios, voltados à demonstração do domínio de conceitos e/ou solução de problemas. A partir da referida premissa, se faz necessário entender que as provas objetivas podem ser classificadas considerando diversos critérios, sendo importante que o candidato não apenas tenha consciência das formatações possíveis, como também saiba identificar as modalidades de questões adotadas pelo examinador.

 

Assim, as questões podem ser classificadas segundo os seguintes critérios:

 

1 - quanto ao sistema de resposta:

   1.1- múltipla escolha: simples (alternativas desvinculadas) ou condicionada (alternativas que envolvem a avaliação de assertivas apresentadas, com alguma vinculação, do tipo "uma assertiva é verdadeira", "duas assertivas são verdadeiras", "todas as assertivas são verdadeiras");

   1.2- verdadeiro ou falso;

2- quanto à conseqüência dos erros:

   2.1- com fator de correção: rígido (uma errada anula uma certa) ou semi-rígido (determinado número de erradas anula uma certa);

   2.2- sem fator de correção;

3- quanto à natureza da questão formulada:

   3.1- questões puramente conceituais: envolvem apenas a solicitação de um conceito, sem exigir raciocínio do candidato;
   3.2- questões problema: exige que o candidato, mobilizando conceitos apropriados, encontre a solução de problemas colocados.

 

Considerando os possíveis formatos de questões, surgem as seguintes possibilidades de cenários no âmbito da realização da prova:

1ª possibilidade: O candidato teve contato com o conteúdo-objeto da questão (estudou):
    1ª .1- o candidato consegue recuperar o conteúdo solicitado (se lembra da informação relevante para solucionar a questão);
    1ª.2- o candidato não consegue recuperar o conteúdo solicitado: não se lembra da informação;
2ª possibilidade: O candidato não teve contato com o conteúdo-objeto da questão (não estudou).

 

Dessa forma, ao longo do processo de realização da prova, o candidato pode se deparar com questões conceituais em relação às quais dispõe da informação solicitada, ou seja, se lembra, podendo também não dispor da informação, isto é, ou não se lembra ou não estudou. Da mesma maneira, também pode se deparar com questões-problema que exigem a mobilização de conteúdos que estão disponíveis (estudou e se lembra) ou não estão disponíveis (ou não estudou ou estudou e não se lembra).

 

Vale lembrar que, conforme a lógica das ciências cognitivas, temos as memórias de curto e de longo prazo. As memórias de curto prazo são formadas numa parte do cérebro denominada hipocampo, ao passo que as memórias de longo prazo são formadas no córtex cerebral. O fato de ter uma informação disponível enquanto memória de curto prazo depende do caráter recente do contato com a informação. Já a consolidação de memórias de longo prazo decorrem da eficiência do processo de apropriação, o que tem como um dos fatores fundamentais a técnica de estudo adotada, bem como a reiteração do contato com a informação.

 

Considerando todas as premissas apresentadas, o fundamental é que o candidato procure avaliar o caminho mais estratégico e eficiente para a realização da prova, otimizando seu tempo, suas energias e o conhecimento disponível. Com a intenção de contribuir com a busca de eficiência e a racionalidade deste processo, sugiro o seguinte caminho a ser adotado, em termos de seqüência de questões a serem resolvidas:
1º - questões puramente conceituais, em relação às quais se dispõe da informação(o candidato se recorda);
2º - questões problema que o candidato tem a disponibilidade da informação;
3º - questões problema que o candidato não tem a disponibilidade do conceito: no caso, o candidato pode encontrar a resposta mobilizando outros conceitos disponíveis ao longo da realização da prova;
4º - questões conceituais que o candidato não tem a disponibilidade da informação.

 

Em relação ao terceiro e quarto passos, vale destacar que o candidato pode encontrar a resposta mobilizando outros conceitos disponíveis em sua memória ou mesmo na própria prova. Não é incomum que a resposta de uma questão esteja no enunciado de outra, ou ainda que, diante de provas de múltipla escolha, as assertivas descartadas, as quais passam a ser tidas como verdadeiras ou falsas (a depender do enunciado da questão), sejam úteis para responder outras questões. Daí porque se deixa para o final. Outro detalhe importante é a possibilidade de que ao longo da prova alguma informação estudada e não disponível seja recuperada, inclusive pelo fato do candidato estar potencialmente acionando e mobilizando redes neurais relacionadas com as informações facilmente disponíveis.

 

Outra dica importante consiste na atitude de, diante da situação na qual não se sabe a resposta, seguir a lógica da matéria. Por exemplo:
- Direito do Consumidor, a lógica é a interpretação pró-consumidor;
- Direito Constitucional, a lógica é pró-direitos fundamentais;
- Direito do Trabalho , a lógica é a interpretação pró-trabalhador;
- Processo Civil, a lógica é a interpretação pró-segurança jurídica na relação processual;
- Processo do Trabalho, a lógica é a interpretação pró-celeridade em detrimento da segurança jurídica na relação processual;
- Direito Administrativo, a lógica é a interpretação pró-defesa do interesse público e limitação do espaço à discricionariedade do administrador;
- Direito Processual Penal, a lógica é a da garantia do exercício do direito de defesa pelo réu.

Mas independente das condições do candidato no momento da prova ou da sua compreensão acerca de qual caminho deva ser o mais adequado, o fundamental é que procure pensar e agir de forma estratégica. Para tanto, é preciso que tenha consciência não apenas de sua situação cognitiva, em termos do universo de conteúdos disponíveis, mas também do formato de prova adotado pelo examinador.

 

Muitas vezes desenvolver uma preparação eficiente e com empenho pode não ser suficiente para a garantia de aprovação. É preciso dispor de tal conhecimento de forma adequada no momento da prova, de modo a obter êxito por meio do alcance da pontuação necessária, bem como otimizando as informações apropriadas.

 

Assim, o candidato estará tomando atitudes relevantes para viabilizar a presença do seu nome na lista dos aprovados.

 

Sucesso na realização das provas e na busca da aprovação!


Comentários

  • Renato Arruda Martins
    07/01/2010 22:55:57

    Conhec¡ o prof. Rog'rio Neiva numa palestra que ele ministrou aqui em Palmas-TO,no audit¢rio da OAB-TO, pelo III Congresso Acad^mico de Direito da Faculdade Cat¢lica do Tocantins, onde sou acad^mico de Direito. Fiquei impressionado com a forma pela qual o prof. Rog'rio Neiva ensina o modelo ideal para uma satisfat¢ria prepara╬Æo para concursos p£blicos e exames de Ordem, sobretudo pelas constantes cita╬äes de outras  reas do saber, como psicopedagogia, a qual tem um fant stico poder de subsidiariedade para o candidato. Ante esse texto, escrito com muita maestria por esse brilhante professor, magistrado e ex-concursando, absorvo para a minha prepara╬Æo, enquanto futuro concursando, o seguinte trecho :" [...] Mas independente das condi╬äes do candidato no momento da prova ou da sua compreensÆo acerca de qual caminho deva ser o mais adequado, o fundamental ' que procure pensar e agir de forma estrat'gica. Para tanto, ' preciso que tenha consci^ncia nÆo apenas de sua situa╬Æo cognitiva, em termos do universo de conte£dos dispon¡veis, mas tamb'm do formato de prova adotado pelo examinador." Em outras palavras, o candidato deve estudar de forma racional e eficiente e nÆo estudar "cmo um louco" durante 14 ou at' 18 horas por dia. O candidato deve conhecer previamente a banca respons vel pelo concurso que vai fazer: conhecer as prioridades no momento de confec╬Æo das questäes, as peculiaridades etc. Parab'ns pelo texto prof. Rog'rio Neiva!!!

  • Renato Arruda Martins
    07/01/2010 22:55:43

    Conhec¡ o prof. Rog'rio Neiva numa palestra que ele ministrou aqui em Palmas-TO,no audit¢rio da OAB-TO, pelo III Congresso Acad^mico de Direito da Faculdade Cat¢lica do Tocantins, onde sou acad^mico de Direito. Fiquei impressionado com a forma pela qual o prof. Rog'rio Neiva ensina o modelo ideal para uma satisfat¢ria prepara╬Æo para concursos p£blicos e exames de Ordem, sobretudo pelas constantes cita╬äes de outras  reas do saber, como psicopedagogia, a qual tem um fant stico poder de subsidiariedade para o candidato. Ante esse texto, escrito com muita maestria por esse brilhante professor, magistrado e ex-concursando, absorvo para a minha prepara╬Æo, enquanto futuro concursando, o seguinte trecho :" [...] Mas independente das condi╬äes do candidato no momento da prova ou da sua compreensÆo acerca de qual caminho deva ser o mais adequado, o fundamental ' que procure pensar e agir de forma estrat'gica. Para tanto, ' preciso que tenha consci^ncia nÆo apenas de sua situa╬Æo cognitiva, em termos do universo de conte£dos dispon¡veis, mas tamb'm do formato de prova adotado pelo examinador." Em outras palavras, o candidato deve estudar de forma racional e eficiente e nÆo estudar "cmo um louco" durante 14 ou at' 18 horas por dia. O candidato deve conhecer previamente a banca respons vel pelo concurso que vai fazer: conhecer as prioridades no momento de confec╬Æo das questäes, as peculiaridades etc. Parab'ns pelo texto prof. Rog'rio Neiva!!!

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

ROGERIO NEIVA

Rogerio Neiva

Juiz do Trabalho no DF. Professor e Autor do livro "Concursos Públicos e Exames Oficiais: Preparação Estratégica, Eficiente e Racional" (Editora Atlas), criador do sistema Tuctor (www.tuctor.com.br) rogerio@tuctor.com.br 

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br