Página Inicial   >   Artigos

CONCURSOS Estabilidade e bons salários no serviço público

01/07/2009 por Fábio Gonçalves

O serviço público - que já foi sinônimo de trabalho meramente burocrático, chato e desgastante, - transformou-se no sonho de milhões de brasileiros nos últimos anos. Os concursos passaram a atrair, principalmente, recém-formados. O desejo de ingressar em um órgão público multiplicou-se na mesma proporção que a dificuldade de conquistar bons empregos na iniciativa privada. Além disso, as instituições governamentais oferecem salários, em geral, superiores aos pagos pelos outros setores. Outro apelo é a estabilidade oferecida. O número de inscritos em concursos públicos aumentam a cada ano, surpreendendo até as estatais e fundações que abrem as seleções.

Para aqueles que já possuem nível médio, o concurso público é uma excelente opção, pois a garantia de emprego estável e bem remunerado opção, normalmente com salários superiores a R$3 mil possibilitará cursar a universidade com tranquilidade. Depois, o profissional poderá prestar concursos de nível superior com salários acima de R$ 10 mil.

Os concursos públicos representam uma boa opção porque, além de oferecerem salários atraentes, estabilidade e, na maioria dos casos, plano de cargos, carreiras e vencimentos, atendem às três esferas de governo (federal, estadual e municipal) e vários níveis de escolaridade. Tanto o profissional que frequentou a universidade quanto aquele que teve a oportunidade de apenas concluir o ensino fundamental podem participar de concursos adequados à sua escolaridade.

Para aqueles que pretendem cursar uma universidade, a aprovação em um concurso torna ainda mais fácil o período de graduação, porque o aluno poderá investir mais em sua formação, comprando livros e fazendo cursos. Se após a faculdade o interessado seguir na administração pública, sentirá mais confiança para prestar outro concurso, devido ao fato de já ter sido aprovado uma vez. Além disso, ele poderá estudar com mais tranquilidade, pois já está empregado.

Não são apenas os jovens ou recém-formados que buscam no concurso público a chance de ter bons salários e uma carreira gratificante. Aposentados ou prestes a se aposentarem também procuram um emprego público. O limite de idade para prestar concursos é de 65 anos, o que leva milhares de brasileiros a verem no concurso uma chance de conseguir uma aposentadoria digna. Isso significa que aqueles que já estão aposentados mas ainda não completaram 65 anos não possuem qualquer impedimento para prestar concursos públicos. Sendo aprovados, os candidatos voltam à ativa e trabalham até completarem a idade-limite, interrompendo as atividades compulsoriamente. Então se aposentam novamente, com vencimentos até dez vezes mais que anteriormente - cerca de R$ 10 mil em concursos de nível superior.

As mulheres têm se destacado nas mais diversas áreas do funcionalismo público, inclusive em segurança pública, como Polícia Rodoviária Federal,  Polícia Civil e Polícia Federal, com excelente desempenho, desmistificando a falsa ideia de que se tratam de  profissões exclusivamente masculinas. Um exemplo é Beatriz Gaspary, primeiramente aprovada para a Polícia Civil e, depois, para a PRF, onde está atualmente e pretende prestar um novo concurso, desta vez, para perito da Polícia Federal. Ela lembra que a área de segurança pública é muito ampla, na qual o profissional pode atuar na investigação, na parte operacional ou na área burocrática. Para Beatriz Gaspary, a presença da mulher é importante no serviço público, pois há momentos que a sensibilidade feminina é o diferencial.

A procura por uma vaga no setor público tem crescido anualmente graças às inúmeras vantagens oferecidas, como salário acima da média, estabilidade e benefícios - entre eles, auxílio alimentação, auxílio transporte e assistência médica estendida aos dependentes -, além de excelente aposentadoria e gratificações.Para participar de concursos não é necessário experiência, conhecimento de idiomas estrangeiros, ou qualquer curso de especialização. O candidato só precisa ter a escolaridade exigida pelo concurso e ter entre 18 e 65 anos. Os concursos para Tribunais são os mais concorridos porque têm os salários mais altos e ofecerem vagas, dependendo da Corte, para níveis fundamental, médio e superior.

"Concurso não se estuda para passar e sim até passar" é a máxima ensinada nas salas de aula. Embora seja preciso pagar pela inscrição nos concursos, muitos candidatos não se preparam para as provas, se inscrevem e ficam contando apenas com a sorte. Por essa razão, as pessoas que se empenham nos estudos aumentam consideravelmente as chances de aprovação. Com o aumento do número de candidatos, se fez necessária a ampliação de um outro ramo do mercado: o de cursos preparatórios.

            A escolha de um curso de qualidade é fundamental para o êxito do candidato. É preciso ter muito cuidado na escolha da instituição de ensino. Não basta apenas um curso que obtenha bons resultados, mas que também se preocupe com o bem-estar do aluno e o prepare para ser um bom profissional quando aprovado. Outro fator importante é saber se o curso é reconhecido pelos órgãos ligados aos concursos, como, por exemplo, a Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (Anpac).

Com o fim da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), circulou pelo país a informação de que os concursos públicos, em 2008, estariam cancelados. A notícia gerou um caos totalmente desnecessário. Chegamos a 2009 com mais de 128 mil vagas; todos os concursos fluíram normalmente. E por quê? Porque concursos essenciais não podem ser cancelados.

O país tem hoje cerca de 7 milhões de servidores, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE). Há uma média de 3% a 5% de servidores se aposentando todos os anos.  Ou seja: temos, em média, 300 mil vagas por ano para serem repostas. São professores, médicos, policiais, profissionais cujas vagas têm de ser repostas. Isso sem falar nos profissionais da área fiscal, porque são os fiscais que aumentam a arrecadação do país. A Petrobras, em plena expansão, precisa contratar; o Banco do Brasil, que concorre com os bancos privados, também. Cargos não essenciais podem ser suspensos em momentos de crise, mas as funções essenciais não.

Vale lembrar que todo o investimento é revertido em sucesso quando existe empenho do candidato. Esse, sim, é o maior adversário de si mesmo e não o outro postulante a mesma vaga. Disciplina e organização são fundamentais para quem luta por uma conquista, uma vitória, seja ela uma vaga no serviço público ou não.

Comentários

BEM-VINDO À CARTA FORENSE | LOG IN
E-MAIL:
SENHA: OK esqueceu?

FÁBIO GONÇALVES

Fábio Gonçalves

NEWSLETTER

Receba nossas novidades

© 2001-2019 - Jornal Carta Forense, São Paulo

tel: (11) 3045-8488 e-mail: contato@cartaforense.com.br